Tamanho do texto

Em busca de apoio para as próximas eleições presidenciais, governador do Rio de Janeiro se aproxima de lideranças religiosas e poderá apoiar a reeleição de Marcelo Crivella (PRB) no ano que vem

Wilson Witzel arrow-options
Divulgação/ Governo do Estado do Rio de Janeiro
Wilson Witzel (PSC) quer o apio de evangélicos para sua candidatura à Presidência em 2022.

O governador Wilson Witzel (PSC) quer convencer os evangélicos (base eleitoral de Jair Bolsonaro, do PSL) de que sua candidatura à Presidência , em 2022, é viável. O primeiro alvo da estratégia é o grupo do bispo Edir Macedo, que inclui a Igreja Universal e o conglomerado de comunicação da Record.

Leia também: "Ninguém foi hackeado por falta de cautela", diz Moro após apuração da PF

Se o plano der certo, Witzel apoiará a reeleição do prefeito Marcelo Crivella (PRB). Outras lideranças evangélicas estão na mira, como Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, amigo de Pastor Everaldo, chefão do PSC. Mas, caso tudo vá por água abaixo, o plano B de Witzel é Pedro Fernandes, secretário de Educação e filiado ao PSC.

Ou seja: a chance de apoiar o deputado estadual Rodrigo Amorim (PSL) para a Prefeitura do Rio no ano que vem é praticamente nula, conforme a Coluna já vem falando há algumas semanas.

Anteontem, Amorim publicou a foto acima numa rede social parabenizando Witzel e Fernandes pelo lançamento de um projeto esportivo. “O jogo é sujo, assim como as tentativas de desestabilizar as parcerias que estão mudando o nosso Estado e o Brasil”, escreveu o deputado, aliado da família Bolsonaro .