Tamanho do texto

Dinheiro desviado em contratos com a Odebrecht estava em contas de ex-executivos na Suíça; segundo MPF, R$ 1,5 bi foram recuperados em 2019

Petrobras arrow-options
Tânia Rego/Agência Brasil - 31.7.2015
Ex-executivos da Petrobras foram alvos de fase da Lava Jato que apurou propina de R$ 200 milhões

A força-tarefa do Ministério Público Federal (MPF) na Operação Lava Jato anunciou nesta quinta-feira (18) a recuperação de mais R$ 67 milhões que estavam no exterior. 

Leia também: Antes e depois da (Polícia) Federal: efeito Lava Jato no visual de investigados

A quantia estava depositada em contas na Suíça que favoreciam os ex-diretores da Petrobras Aluísio Teles Ferreira Filho (ex-gerente da área Internacional ), Ulisses Sobral Calile e Mário Ildeu de Miranda (ex-gerentes) – que confessaram os crimes e renunciaram aos valores. O dinheiro, segundo os procuradores, foi desviado de contratos da estatal com a Odebrecht.

Ainda de acordo com o MPF, a Lava Jato já recuperou R$ 1,5 bilhão em 2019. Os R$ 67 milhões recuperados agora foram transferidos para contas judiciais vinculadas ao processo da 13ª Vara Federal de Curitiba.

Aluísio Teles foi condenado, ainda pelo então juiz Sergio Moro, a 11 anos e 4 meses de prisão, mesma pena aplicada a Ulisses Sobral. Já Mário Ildeu pegou 6 anos e 8 meses de cadeia. O trio foi denunciado em junho do ano passado, em fase da Lava Jato que apurou pagamento de propina de R$ 200 milhões a agentes do MDB, do PT e a ex-funcionários da Petrobras .

Leia também: João Amôedo ataca Flávio Bolsonaro: "Contribui com o aumento da impunidade"