Tamanho do texto

Sem Ciro Gomes, defensor da expulsão dos deputados que contrariaram a orientação partidária, cúpula do PDT decidiu instaurar processo disciplinar

tabata amaral arrow-options
Cleia Viana/Câmara dos Deputados - 27.3.19
Deputada Tabata Amaral será alvo de processo disciplinar no PDT devido a voto divergente na reforma

A Executiva Nacional do PDT decidiu nesta quarta-feira (17) suspender Tabata Amaral (SP) e mais sete deputados da sigla por terem contrariado a orientação da sigla e votado a favor da proposta de reforma da Previdência . Foi instaurado processo disciplinar contra os oito parlamentares, que agora passam a ter suas representações partidárias suspensas até que o processo seja concluído – o que pode demorar até 60 dias.

Além de Tabata Amaral , também estão suspensos os deputados Alex Santana (BA), Subtenente Gonzaga (MG), Silvia Cristina (RO), Marlon Santos (RS), Jesus Sérgio (AC), Gil Cutrim (MA) e Flávio Nogueira (PI). A bancada do PDT na Câmara é formada por 27 deputados federais.

A reunião realizada nesta manhã entre os dirigentes do partido não contou com a presença de Ciro Gomes , terceiro colocado na eleição presidencial de 2018 e  um dos principais defensores da expulsão de Tabata e dos demais 'infiéis' da legenda.

Em nota divulgada pelo PDT , o presidente nacional da legenda, Carlos Lupi, disse que a decisão do Diretório Nacional é soberana e representa todas as instâncias partidárias. “Todos tiveram todas as instâncias partidárias para discutir, apresentar propostas. E, somente no dia da votação, depois de meses de discussões internas, os parlamentares se posicionaram a favor desta covardia contra os trabalhadores brasileiros", explicou.

Leia também: PDT e PSB punem infiéis, mas poupam filiados que são réus na Justiça

Lupi, por outro lado, mostrou-se esperançoso de que os 'rebeldes' do partido venham a se realinhar com a orientação do partido na votação da reforma da Previdência em segundo turno, que deve ocorrer em agosto no plenário da Câmara. "É importante lembrar também que ainda terá uma segunda votação na Câmara, em agosto. O ser humano vive da evolução. E acho que todos podem evoluir durante esse processo."

A partir de hoje, a Comissão de Ética do partido, que conta com cinco membros permanentes e mais três suplentes, inicia o processo disciplinar contra os parlamentares. O partido assegurou que Tabata Amaral e os demais parlamentares "terão amplo espaço de defesa, onde poderão expor todas as variáveis que os levaram a desrespeitar a decisão" do partido em relação à votação da reforma. Depois, um relatório será encaminhado à Executiva Nacional da legenda, que por sua vez, levará ao pleno do Diretório Nacional. A decisão poderá levar até 60 dias.