Tamanho do texto

Deputado disse, em vídeo, que curso de Economia o qualifica para Embaixada do Brasil em Washington, mas falta ainda entregar Trabalho de Conclusão

Eduardo Bolsonaro é cogitado para embaixada do Brasil nos Estados Unidos arrow-options
Alan Santos/PR
Chanceler disse que não existe alternativa ao nome do filho do presidente para embaixada norte-americana

Apesar de ter citado uma pós-graduação em Economia como credencial que justificaria sua indicação ao posto de embaixador do Brasil nos Estados Unidos, o deputado federal Eduardo Bolsonaro não concluiu o curso. Criticado após o presidente Jair Bolsonaro dizer que poderia indicá-lo ao cargo, o deputado tem tentado provar suas qualificações para a cadeira. 

O Instituto Mises Brasil, que oferece a pós-graduação lato sensu "Escola Austríaca de Economia" em parceria com o Centro Universitário Ítalo Brasileiro, confirmou ao GLOBO que Eduardo "ainda cursa a pós-graduação". O curso tem duração de 18 meses e o deputado federal o iniciou em março de 2016.

Leia também: Sem 'plano b'! Chanceler não crê em rejeição de Eduardo Bolsonaro em embaixada

“Sobre a pós graduação no Mises a minha qualificação é pós graduando, tenho até o final do ano para entregar o TCC”, disse o deputado ao GLOBO, por meio de sua assessoria.

A especialização foca em uma vertente do pensamento econômico ultra-liberal cujo maior expoente é o austríaco Ludwig von Mises. O Instituto Mises Brasil também confirmou que ainda há possibilidade de conclusão do curso pelo deputado federal.

Na última sexta-feira, Eduardo postou no YouTube um vídeo em que descartava que a indicação tivesse ocorrido por ser filho do presidente.

“Essa possibilidade existe não pelo fato de eu ser um mero filho do presidente Jair Bolsonaro. Sou formado em Direito pela UFRJ, advogado concursado, passei na prova da OAB, escrivão da Polícia Federal, uma pós-graduação em Economia”, disse.

Leia também: “Da minha parte, está definido", diz Bolsonaro sobre filho na embaixada nos EUA 

O curso procurado por Eduardo já atraiu mais deputados federais. Na turma que iniciou as aulas em 2019, há quatro: Felipe Barros (PSL-PR), Carlos Jordy (PSL-RJ), Tiago Mitraud (Novo-MG) e Paula Belmonte (Cidadania-DF).