Tamanho do texto

Em vídeo postado em seu Twitter, o presidente falou sobre a interferência de ONGs, artistas e indígenas na política externa brasileira

bolsonaro
Charles Sholl/Brazil Photo Press/Agencia O Globo
Bolsonaro recusou ajuda de Macron e Merkel em relação a Amazônia

O presidente Jair Bolsonaro utilizou o Twitter na tarde deste sábado (06) para dizer que o Brasil é um exemplo em preservação ambiental e para dizer que não reconhece o líder indígena, Raoni Metuktire, como autoridade para tratar sobre questões ambientais no país.

Leia também:  Papa diz que desmatamento na Amazônia é fruto de mentalidade cega

Bolsonaro repostou em seu perfil um vídeo do perfil Direita Conservador com a sua fala durante uma coletiva com deputados da bancada ruralista, na última quinta-feira (04).

“O senhor Macron [presidente da França] queria que eu, ele, ao lado do Raoni viesse anunciar decisões para a nossa questão ambiental . Dei-lhe um rotundo ‘não’, não reconheço Raoni como autoridade aqui no Brasil. Ele é um cidadão como outro qualquer que devemos respeito e consideração, mas estar ao meu lado para tomar uma decisão pelo nosso Brasil ele não é autoridade”, diz o presidente.

No momento em que exclama sua opinião sobre Raoni o presidente foi aplaudido. Ela ainda emendou “Convidei ele [ Macron ] e Angela Merkel [chanceler da Alemanha] a sobrevoar a Amazônia, se encontrasse um espaço entre Boa Vista e Manaus 1km² de desmatamento, eu concordaria com eles. Agora o mesmo, como eu sobrevoei a Europa já por duas vezes, eu também lhes disse que não encontrei 1km² de floresta naquela região, então eles não tem autoridade para vim discutir essa questão para conosco”, finaliza.

Na legenda ele enfatizou. “O Brasil é exemplo para o mundo na preservação ambiental. ONGs, artistas, “Raonis” não mais influenciarão em nossa política externa”.

Leia também: Perfil online divulga dados de jornalista do The Intercept e expõe Jean Wyllys

Citado por Jair Bolsonaro , Raoni Metuktire tem 89 anos e é conhecido internacionalmente por sua luta pela preservação da Amazônia e dos povos indígenas. Ele, inclusive, se reuniu com Macron em maio deste ano e com o papa Francisco, no Vaticano. Nessa viagem a Europa, Raoni arrecadou um milhão de euros para a proteção da reserva indígena do Xingu, na Amazônia.