Tamanho do texto

Presidente da Câmara dos Deputados deu entrevista ao programa Pânico, da rádio Jovem Pan, e disse que aprovação na Câmara deve vir antes do recesso

Maia
Pablo Valadares/Câmara dos Deputados - 4.6.19
Parlamento está engajado em resolver o problema das contas públicas, diz Maia

O presidente da Câmara dos deputados, Rodrigo Maia, disse que a Casa deve conseguir aprovar o projeto de reforma da previdência antes do recesso parlamentar, marcado para o próximo dia 18 de julho. Maia disse que o Parlamento quer dar uma mensagem clara à população de que está engajado em ajudar a resolver o déficit nas contas públicas. Ele afirmou que sem a reforma a pobreza vai voltar a crescer.

Leia também: Moro se defende após a divulgação de novos vazamentos: "Sensacionalismo"

"Acho que vamos conseguir fazer a reforma da Previdência ser votada antes do recesso, sim. Os líderes que ficaram da comissão demonstraram comprometimento com essa tese. Queremos dar uma mensagem clara para a população que o Parlamento está engajado em ajudar a sanar as contas públicas. Hoje, há uma compreensão de que este é um tema necessário", disse o presidente da Câmara, que participou na manhã desta segunda-feira do programa Pânico, da rádio Jovem Pan.

Maia afirmou que ficou feliz com a aprovação da reforma na Comissão Especial, ontem, porque sem a reforma a pobreza vai voltar a crescer.

"É uma reforma que vai organizar as despesas públicas e impedir o Brasil de quebrar. Reforma da Previdência é necessidade, não vontade. A gente sabe que o impacto dela na vida das pessoas vai ser muito positivo", afirmou.

Sobre a tentativa de deputados do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, de incluir regras mais brandas para a para policiais federais e rodoviários federais, Mais afirmou que o risco de que isso aconteça no plenário existe.

Leia também: Faustão deu dicas para Moro e procuradores da Lava Jato, segundo vazamentos

"Esse é um destaque que tem risco no plenário. Cada deputado representa um segmento da sociedade, com pensamentos divergentes, mas os deputados do PSL precisam compreender que o presidente não é mais o presidente do sindicato da segurança pública na Câmara dos Deputados. Ele precisa governar para todos", concluiu Maia .