Tamanho do texto

Ajustes aconteceram depois de militar ter sido preso com 39 quilos de cocaína na bagagem

Bolsonaro e General Augusto Heleno
Marcos Corrêa/PR
Novos procedimentos do GSI obriga que até o Presidente passe pelo raio-X


O Gabinete do Segurança Institucional (GSI),comandado pelo ministro Augusto Heleno, está implementando ajustes nos procedimentos de viagens após a prisão do militar daAeronáutica que integrava a equipe de apoio à comitiva presidencial, na semana passada. De agora em diante, além de toda a tripulação e equipe, até mesmo o presidente Jair Bolsonaro terá de passar pelo detector de metais e raio-x antes de embarcar no avião da Presidência.

Leia também: Planalto age para que críticas de Carlos Bolsonaro a Heleno não criem nova crise

 O novo método de segurança do GSI foi utilizado pela primeira vez na última quarta-feira, antes da ida de Bolsonaro a São Paulo, onde ele participou de uma evento no Comando Militar do Sudeste. Anteriormente, somente as bagagens despachadas passavam pelo raio-x e pelo critério de amostragem(técnica em que a checagem é feita em apenas algumas pessoas, aleatoriamente). Agora, a fiscalização ampla de malas e passageiros será realizada sem exceção.

O aumento do rigor no procedimento foi confirmado ao GLOBO por três fontes do Palácio do Planalto  e do GSI . Os ajustes ocorreram uma semana depois de o segundo-sargento Manoel Silva Rodrigues, de 38 anos, ter sido preso com 39 quilos de cocaína na bagagem de mão em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB), em Sevilha, na Espanha.