Tamanho do texto

Polícia já sabe horário do primeiro contato realizado pela família; imagens mostram que pastor foi levado ao hospital 25 minutos depois de ser baleado

Flordelis
Fernando Frazão/Agência Brasil
Em entrevista coletiva, deputada afirmou que filhos fizeram "diversas ligações" para os bombeiros

A Polícia Civil pediu aos bombeiros o horário em que a primeira ligação solicitando por socorro foi realizada da residência da deputada federal Flordelis , na madrugada do dia 16 de junho. Em coletiva, a parlamentar afirmou que seus filhos realizaram "inúmeras ligações" à corporação logo após o seu marido, o pastor Anderson do Carmo, ter sido baleado na garagem de casa.

Leia também: Após 'fuga' de irmãos, filha de Flordelis vê família rachada: "Máscaras caíram"

A assessoria do Corpo de Bombeiros afirmou que já repassou a informação à especializada responsável pelo caso mas, como a investigação se encontra sob sigilo, não irá divulgar à imprensa. Os bombeiros negaram a informação de demora no socorro e disseram que, a caminho do local, foram dispensados pela família de Flordelis .

Imagens de câmeras mostram que o pastor foi levado para o hospital cerca de 25 minutos após ter sido baleado. Segundo o inquérito, ele já estaria morto.

Flávio dos Santos, que se encontra preso, teria assumido ter atirado no pai. É ele quem leva o corpo do pastor ao hospital. Logo após o crime, ele chegou a sair de casa com o carro para procurar a polícia ao invés de socorro, o que intrigou os investigadores. A polícia prepara uma reconstituição do caso, com todos os envolvidos.

Leia também: Defesa do filho de Flordelis entra com reclamação no Supremo