Tamanho do texto

Carlos Bolsonaro respondeu a uma postagem sobre a prisão de um militar da Aeronáutica com 39 kg de cocaína na Espanha na semana passada

Jair Bolsonaro e Carlos Bolsonaro
Reprodução Instagram
Bolsonaro não quer responder perguntas sobre o filho Carlos


O presidente Jair Bolsonaro se irritou nesta terça-feira (2) ao ser questionado sobre os recentes comentários do segundo filho mais velho, Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), no Twitter e redirecionou a pergunta ao vereador do Rio.

Leia também: Carlos Bolsonaro pede explicação sobre motorista da Uber: "Não levo bolsominion"

Carlos Bolsonaro respondeu a uma postagem sobre a prisão de um militar da Aeronáutica com 39 kg de cocaína na Espanha na semana passada (o homem integrava a equipe de apoio à comitiva presidencial) e afirmou que os homens do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) estão subordinados a algo em que ele não acredita. O ministério, que funciona dentro do Palácio do Planalto, é comandado pelo general da reserva Augusto Heleno, um dos principais ministros da linha auxiliar de Bolsonaro.

Leia também: Carlos Bolsonaro critica GSI e volta a gerar desconforto em militares do governo

"Não, não, não. Pergunta pra ele", disse o presidente , interrompendo a questão da repórter no meio e encerrando abruptamente a entrevista coletiva, na entrada do Ministério da Defesa, onde foi almoçar.

Na noite de segunda-feira, o porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, defendeu a atuação do GSI e disse que não comentaria as declarações de Carlos.

"O GSI dentro das suas estruturas possui equipes que provem a segurança de autoridades do poder executivo. Nesta indicação, o gabinete se prepara, seus recursos humanos são preparados da melhor forma possível para prover essa segurança. Então, não avançamos em comentários do vereador Carlos Bolsonaro com relação a qualificação do GSI, mas sabemos que é uma qualificação bastante extremada, com profissionalismo, com treinamento nas mais diversas condições e já reconhecido inclusive por outros órgãos de segurança", declarou Rêgo Barros.