Tamanho do texto

"Se ele não sair do pedestal ele vai ser o pior governo que já tivemos em todos os tempos", opinou o deputado federal durante uma entrevista

Tiririca é federla
Nilson Bastian/ Câmara dos Deputados - 17.04.16
Deputado Tiririca (PL-SP) criticou duramente o presidente Jair Bolsonaro em entrevista

Quinto deputado federal mais votado no estado de São Paulo, com 445.521 votos, Tiririca (PL) é mais um parlamentar a criticar duramente o governo Bolsonaro. Em um entrevista ao jornal Folha de São Paulo , o comediante, que já está em seu terceiro mandato na Câmara, afirmou que o capitão da reserva pode ser tornar o "pior presidente da história do Brasil."

Leia também: Filha de Michelle Bolsonaro se identifica com Carlos e preferia morar com o pai

"Tá faltando a galera pra chegar e dizer: 'Irmão, senta aqui. Cara, tu não é deputado. É o país, irmão. Assim não vai", disse o parlamentar, que comparou a situação de Bolsonaro no Planalto com a do próprio Tiririca quando chegou à Câmara. "Achei que ia aprovar um monte de coisa, mas não funciona assim", explicou.

"Se ele não sair do pedestal ele vai ser o pior governo que já tivemos em todos os tempos", criticou o comediante. "Ele veio com um discurso de política nova e tá caindo na mesma coisa. Porque não existe política nova nem política velha, a política é a política", continuou o parlamentar, que clamou por "diálogo" entre o Bolsonaro e o Legislativo.

"Aprovar projeto não depende de mim, depende do toma lá dá cá, que não é negócio de dinheiro, é: tu apoia o meu projeto que eu apoio o teu, é assim que funciona aqui", analisou Tiririca, que ressaltou que, no caso dele, troca de cargos e emendas estão descartadas.

Leia também: Tiririca tem sua pior votação, mas conquista 445 mil eleitores e terá 3º mandato

"Eu quero que ele me diga o que é a política nova. Qual é a política nova que eu não sei qual é. Ou ele faz isso que ele fez, e teve que recuar com o negócio das armas, já teve várias derrotas aqui, ou faz a política que é política, não é negócio de esquema de dinheiro", continuou o parlamentar, que enfatizou: "É troca de favores. Tem que existir, cara, tem que existir troca de favores. Não é negócio de dinheiro, meu irmão, é diálogo, diálogo."

No final da entrevista, Tiririca ainda disse que não considera o presidente um "cara popular". "Tiro o chapeu para a assessoria e os marketeiros dele, pois ele não é um cara popular e não tem ideias populares", cravou o deputado.