Geraldo Alckmin
José Cruz/Agência Brasil - 6.8.18
Mais de R$ 5 bilhões: MP pediu bloqueio de bens dos envolvidos na licitação para construção e exploração do Rodoanel

O Ministério Público do Estado de São Paulo entrou com uma ação de improbidade administrativa contra os ex-governadores Geraldo Alckmin  e Alberto Goldman, do PSDB, e pediu o bloqueio de bens dos tucanos à Justiça. A ação se refere ao processo de licitação para construção e consequente exploração do trecho leste e para exploração do trecho sul do Rodoanel.

Leia também: Projeto que dificulta aborto é criticado e Fernando Holiday já admite mudanças

Além de Alckmin e Goldman, foram alvo da ação outras 28 pessoas, entre autoridades e empresários ligados ao consórcio SPMar, vencedor da licitação, segundo a GloboNews. A ação também envolve três empresas e a Fazenda Pública do Estado de São Paulo.

O edital de licitação que motivou a ação da Promotoria foi publicado em 2010, com a assinatura do contrato sendo feita em março do ano seguinte. A ação menciona que as investigações identificaram pagamentos de R$ 6 milhões feitos pela SPMar à empresa Legend no mesmo período em que foi realizada a licitação.

O MP diz que a Legend é uma empresa de fachada pertencente ao doleiro Adir Assad, preso na Lava Jato . Ele foi condenado pela Justiça Federal do Paraná por lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Leia também: PF prende assessor do ministro do Turismo em caso dos candidatos laranjas do PSL

Entre os pedidos feitos pelo MP estão, de acordo com a GloboNews, o bloqueio de bens em R$ 5,4 bilhões de bens dos demandados, a anulação da contratação da SPMar e que "sejam condenados à perda da função pública (se aplicável), suspensão dos direitos políticos de 8 a 10 anos, pagamento de multa civil de até três vezes o valor do acréscimo patrimonial e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 10 anos".

    Veja Também

      Mostrar mais