Tamanho do texto

O general Heleno viaja com o presidente Jair Bolsonaro para a reunião do G-20 e deu a declaração em conversa com jornalistas nesta quinta-feira (27)

general Heleno
Antonio Cruz/Agência Brasil - 6.11.18
General Augusto Heleno viaja para o Japão junto com o presidente Jair Bolsonaro

O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, classificou como “falta de sorte” a prisão de um militar brasileiro na Espanha por transportar 39 kg de cocaína em sua bagagem no avião da FAB. O general Heleno viaja com o presidente Jair Bolsonaro para a  reunião do G-20 no Japão e deu a declaração em conversa com jornalistas nesta quinta-feira (27).

"Podia não ter acontecido, né? Foi uma falta de sorte acontecer exatamente na hora de um evento mundial e acaba tendo uma repercussão mundial que poderia não ter tido. Foi um fato muito desagradável para todo mundo", disse o general Heleno .

Leia também: Militar preso com cocaína divide cela de 18 m² e tem banho de sol na Espanha

O ministro não acredita que o acontecimento que virou notícia em diversos veículos estrangeiros abala a imagem do Brasil no exterior. "Se mudar a imagem do Brasil por causa disso, só se a gente não estivesse sabendo da quantidade de tráfico de droga que tem no mundo. É mais um”.

Segundo a Folha de S.Paulo , ele também negou que a pasta sob seu comando tenha alguma responsabilidade na situação. “A revista de passageiros e de malas para os aviões da FAB são encargo da FAB que não é subordinada a mim. Então o GSI não tem nada que ver com isso, zero", afirmou.

Ainda de acordo com a Folha, Heleno comentou a segurança dos voos. "Todo mundo tem a sua mala revistada, inclusive nós, a do presidente da República, do ajudante de ordem. Vocês têm que entender é que esse sargento era da comissaria. Ele chega muito antes, você não tem efetivo para manter todo o tempo um esquema de vigilância", disse.

Leia também: "Avião presidencial já transportou drogas", diz Weintraub sobre Lula e Dilma

O general Heleno completou falando que "este avião não era da Presidência da República. Este avião estava a serviço de outra coisa. É oficial, tudo bem, espera-se que esse tipo de coisa não aconteça. Leiam a nota da Força Aérea. A Força Aérea diz ali que vai aperfeiçoar o seu esquema de segurança”.