Tamanho do texto

Michele não foi convocada oficialmente, mas se colocou à disposição para ajudar; Advogado da família de Anderson lamentou pouca ajuda da deputada

Flordelis
Fernando Frazão/Agência Brasil
Mais uma vez, advogado da família do pastor morto criticou a pouca ajuda prestada pela parlamentar

A irmã do pastor Anderson do Carmo, marido da deputada federal Flordelis (PSD-RJ) assassinado dentro de casa em Niterói, compareceu à Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI) com o advogado da família, Ângelo Máximo, na tarde desta quarta-feira. Mesmo não sendo chamada oficialmente, Michele dos Santos quer prestar depoimento para ajudar nas investigações.

Leia também: Mototaxista diz que viu neta de Flordelis jogar celular do pastor no mar

"Eu estou trazendo a Michele e vou trazer quem estiver ao meu alcance que possa colaborar na investigação . Estou aqui representando a família do Anderson , buscando pela justiça, Estou com uma senhora de 74 anos passando mal, que é a mãe do Anderson, querendo ver a justiça ser feita", disse Máximo.

O defensor voltou a falar que Flordelis não procurou a família e que não está ajudando a esclarecer o crime, questionando o socorro dado ao pastor. "Um cidadão que ganha 30 tiros, ele não tem como ser socorrido. Às vezes com um só vai a óbito, imagina com 30? Por que que desfez o local do crime? Poderia ser preservado para ajudar nas investigações. Se não fosse mexida poderia ajudar muito na investigação", falou.

O advogado também falou sobre a declaração de Maurício Eduardo Mayr, que representa Flavio dos Santos, um dos filhos da deputada federal Flordelis que está preso, sobre a possibilidade da arma ter sido plantada pela polícia na casa.

Leia também: Advogado de filho de Flordelis diz que arma pode ter sido plantada por policiais

"Cabe a ele provar que a polícia plantou ou não, inclusive quanto à confissão, que ele diz que é nula. Eu como advogado criminalista nem rebateria confissão, porque o inquérito é uma peça dispensável na ação penal, o que é produzido aqui tem que ser produzido o contraditório. Agora se ele confessou, resta analisar como foi o meio tomado para essa confissão, no curso do contraditório", completou.