Tamanho do texto

Em depoimento, mulher afirmou que em momento nenhum teve o celular em sua posse e que foi até a praia para relaxar

Flordelis
LUCIANO BELFORD/O DIA
Flordelis chorou durante entrevista


Um mototaxista contou aos investigadores da Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo (DHNSG), na tarde desta quarta-feira (26), que levou uma das netas da deputada federal Flordelis até o mar de Piratininga, na Região Oceânica de Niterói, cerca de 10 km da casa onde aconteceu o assassinato do pastor Anderson do Carmo. O homem afirmou que no local, ele viu a neta da cantora gospel atirando no mar um celular.

Leia também: Advogado de filho de Flordelis diz que arma pode ter sido plantada por policiais

A neta, que já depôs na especializada, nega que tenha atirado o celular no mar. Ela contou aos agentes que foi até o local para relaxar. O fato teria acontecido no mesmo dia da busca e apreensão da polícia na casa de Flordelis ,  na última terça-feira (18).

Nesta busca e apreensão, os agentes da DHNSG apreenderam cerca de 40 celulares, alguns documentos. Entre eles, papéis que estavam sendo queimados em uma fogueira.
A Polícia Civil investiga se o celular que a neta jogou no mar pertencia a Flavio dos Santos, filho de Flordelis, que está preso suspeito de participação na morte .

Leia também: Celular do marido de Flordelis foi usado horas após sua morte, diz investigação

A Polícia Civil descobriu que o celular do pastor Anderson do Carmo foi usado horas depois dele ser assassinado dentro de casa, em Niterói. O marido da deputada federal Flordelis foi morto durante a madrugada e o aparelho enviou mensagens para grupos de amigos entre 9h e 10h da manhã. O telefone até hoje não foi encontrado.