avião FAB
FAB
Militar foi preso saindo de um dos aviões da Aeronáutica


A Aeronáutica tirou qualquer culpa do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) no caso do sargento Manoel Santos Rodrigues, preso com 39 quilos em sua babagem durante a parada de aviões da Força Aérea Brasileira em Sevilha, na Espanha em uma escala do presdente Jair Bolsoanro para viagem ao Japão. Durante entrevista nesta quinta-feira (27), o porta-voz da instituição explicou que o criminoso não fazia parte da comitiva da presidência e que, portanto , não era de responsabilidade do GSI.

Leia também: Carlos Bolsonaro discute com vereadores sobre prisão de sargento com cocaína

"O sargento envolvido no caso estava em um vôo de translado em missão de apoio e não integraria a missão que acompanhava o presidente ao Japão. É de responsabilidade do GSI apenas a fiscalização dos que acompanham oficialmente a comitiva", explicou o porta-voz da Aeronáutica , Major Daniel Oliveira.

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva , disse que o caso do sargento é 'inadimissível'. Ele afirmou que o governo irá agir com "total transparência".

Leia também: “Todos são honrados no Brasil, sem exceção”, diz Bolsonaro

 "Não vamos admitir criminosos entre nós. Neste caso, houve quebra de confiança. A confiança é propria da cultura militar . Esse caso é fato isolado", afirmou.

Mais cedo, o  ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI),Augusto Heleno , afirmou  que "o governo não tem efetivos suficientes para controlar todo mundo nos aviões oficiais". O ministro disse que a Força Aérea e a Aeronáutica vai aperfeiçoar seus controles.


    Veja Também

      Mostrar mais