Tamanho do texto

Segundo-sargento da Aeronáutica Manoel Silva Rodrigues é o militar que foi preso na Espanha; ele estava acompanhando a comitiva de Bolsonaro

bolsoanro
Alan Santos/PR
Militar que foi preso com 39 kg de cocaína em bagagem estava na comitiva oficial de Bolsonaro ao G-20

O segundo-sargento da Aeronáutica Manoel Silva Rodrigues é o militar que foi preso na manhã de terça-feira pela polícia espanhola, no aeroporto de Sevilha, suspeito de tráfico de drogas. Ele era tripulante do voo que transportava a equipe avançada de transporte que dava apoio à comitiva do presidente Jair Bolsonaro.

Leia também: 'Corrompido por dinheiro', diz Mourão de militar preso com droga em avião da FAB

Silva Rodrigues teria sido flagrado com 39 quilos de cocaína divididos em 37 pacotes em sua mala, disse à AFP uma porta-voz da força policial sevilhana. O Globo confirmou com fontes do governo que ele deixou o país ontem.

O salário dele bruto é de R$ 7.298,10 e está lotado no Comando da Aeronáutica . Em março, ele também fez uma viagem como comissário do escalão avançado da presidência da República. Também esteve em viagens acompanhando o comandante da Aeronáutica em Buenos Aires, na Argentina, e no Chile. Procurada, a Força Aérea Brasileira ainda não se manifestou.

O segundo-sargento foi preso na manhã de terça-feira pela polícia espanhola , no aeroporto de Sevilha, suspeito de tráfico de drogas. Ele foi flagrado com 39 quilos de cocaína divididos em 37 pacotes em sua bagagem.

Leia também: Militar da comitiva de Bolsonaro é preso com cocaína em avião da FAB na Espanha

A comitiva de apoio à equipe presidencial fez escala em Sevilha antes de seguir para o Japão, onde o chefe do Planalto participará da cúpula de líderes do G-20 . O avião presidencial faria escala na mesma cidade espanhola antes de seguir para o Japão, mas, após a prisão do oficial, seguiu para Portugal.

Apresentado em um tribunal nesta quarta-feira, Silva Rodrigues foi colocado em detenção provisória. Na noite desta terça-feira, Bolsonaro disse, nas redes sociais, que determinou que o Ministério da Defesa colabore com as investigações da Polícia da Espanha .

Leia também: Miliciano preso por grilagem de terras no DF é tio de Michelle Bolsonaro