Tamanho do texto

No mesmo dia em que o porta-voz da presidência, Otávio do Rêgo Barros, negou a revogação dos decretos, presidente resolveu editar novas versões

Bolsonaro
Isac Nóbrega/PR
Bolsonaro volta atrás e revoga decreto das armas para evitar nova derrota

Horas depois do porta-voz da Presidência da República, Otávio do Rêgo Barros, negar a possibilidade de revogação do decreto das armas, o presidente Jair Bolsonaro voltou atrás e acabou anulando a legislação. Ele também editou três novos textos para substituir os decretos anteriores.

Leia também: Governo não revogará decreto de armas, diz porta-voz de Bolsonaro

 O recuo ocorre no mesmo dia em que a Câmara dos Deputados poderia derrubar as medidas do governo, uma semana depois de o Senado aprovar decretos anulando os atos presidenciais.

Na mesma edição do DOU, há um despacho de Bolsonaro informando o encaminhamento ao Congresso de um projeto de lei que altera normas sobre registro, posse e comercialização de armas de fogo e munição e sobre o Sistema Nacional de Armas (Sinarm), além de definir crimes. O teor do texto ainda não foi divulgado.

Os decretos são assinados apenas por Bolsonaro e por Lorenzoni, enquanto os anteriores também tinham os ministros da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, e da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro.

Mais cedo o  porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros,   informou que o governo não iria revogar e nem atuarpara impedir a votação na Câmara. Segundo Otávio do Rêgo Barros , o presidente Jair Bolsonaro "já enfatizou que não irá interferir nas questões do Congresso Nacional".

Apesar da declaração, o ministro da Casa Civil avisou ao comando da Câmara que o governo iria revogar decreto que trata do porte de armas.  

O Senado aprovou projetos que derrubaram o decreto de armas na última terça, com 47 votos favoráveis e 28 contrários. Para ter validade, a decisão precisaria passar pelo plenário da Câmara, o que estava previsto para ocorrer nesta terça-feira.