Tamanho do texto

Apenas um – o empresário Flávio Maluf – foi condenado à prisão em regime fechado; Ligia Maluf Curi e Lina Maluf Alves da Silva ficarão no semiaberto

paulo maluf
Wilson Dias/Agência Brasil - 13.10.17
O assessor de imprensa de Paulo Maluf e família, Adilson Laranjeira, informou que os três filhos vão recorrer da decisão

A Justiça Federal em São Paulo condenou nesta quinta-feira (20) três filhos do ex-prefeito da capital paulista, Paulo Maluf, pelo crime de lavagem de dinheiro. A sentença, confirmada 12 anos após o início da ação, é assinada pela juíza Silva Maria Rocha, da 2ª Vara Federal Criminal de São Paulo. As informações foram publicadas pelo Portal G1 .

Leia também: Vereadores de SP aprovam projeto que impede que "Maluf" vire nome de rua

Dos três filhos, apenas um – o empresário Flávio Maluf – foi condenado à prisão em regime fechado. As filhas Ligia Maluf Curi e Lina Maluf Alves da Silva ficarão reclusas em regime semiaberto. A pena de Flávio também é maior, de oito anos, enquanto Ligia e Lina foram condenadas a quatro anos cada. Todos podem recorrer da sentença em liberdade.

Na ação penal apresentada em 2006, o Ministério Público Federal (MPF) acusou a família do ex-deputado federal de realizar movimentações fianceiras no exterior para esconder a origem de recursos desviados por Maluf na Prefeitura de São Paulo, entre 1993 e 1996. Essas operações, segundo o MPF, teriam acontecido entre 1997 e 2003, quando o sucessor Celso Pitta já comandava a capital paulista.

Os desvios foram feitos por meio de propinas cobradas durante a execução de obras em São Paulo, como a construção da Avenida Água Espraiada, hoje chamada de Avenida Jornalista Roberto Marinho. As empreiteiras Mendes Júnior e OAS foram responsáveis pela obra, que custou R$ 796 milhões. O valor, segundo testemunhas, é três vezes maior que o necessário.

De acordo com o MPF, o esquema de lavagem de dinheiro envolveu a abertura de contas e fundos de investimento em paraísos fiscais, como Jersey, uma pequena ilha localizada na Europa e subordinada à Coroa britânica, e as Ilhas Virgens Britânicas. O dinheiro desviado era repatriado pelos Maluf por meio da compra de títulos desses fundos em favor da empresa brasileira Eucatex, pertencente à família do ex-prefeito.

Leia também: STF pode adiar julgamento sobre suspeição de Moro em ações da Lava Jato

Ainda segundo o G1 , o assessor de imprensa de Maluf e família, Adilson Laranjeira, informou que Flávio, Ligia e Lina vão recorrer da decisão.