Tamanho do texto

Sergio Moro presta esclarecimentos na CCJ do Senado nesta quarta sobre mensagens trocadas com procurador da Lava Jato Deltan Dallagnol

Sergio Moro
Edilson Rodrigues/Agência Senado
O ministro Sergio Moro fala na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado

Em audiência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, afirmou que "pode ter dito" algumas das frases citadas em conversas no aplicativo Telegram com o procurador da República Deltan Dallagnol.

Leia também: Em sabatina, Moro diz que aceitou ministério para consolidar combate à corrupção

Logo no começo da sabatina, Moro disse que não tem mais essas mensagens em seu celular e que não usa o Telegram desde 2017, acrescentando que não possui os arquivos para poder afirmar se eles são "autênticos ou não".

"O que eu vejo ali, nas mensagens que foram divulgadas, tem algumas coisas que, eventualmente, eu possa ter dito. Tem algumas coisas que me causam estranheza. Essas mensagens podem ter sido total ou parcialmente adulteradas", declarou. Em seus pronunciamentos desde o início do escândalo, Moro já disse que não via nenhum problema nas conversas com Dallagnol e, mais tarde, negou a autenticidade dos conteúdos. Os vazamentos, publicados pelo site The Intercept, revelam que ele atuava em estreita coordenação com a força-tarefa da Lava Jato em Curitiba.

Leia também: Moro afirma que conversas vazadas são "ataque orquestrado" contra Lava Jato

Nas mensagens, o ex-juiz sugere uma testemunha contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a Dallagnol, pede a inversão de operações e critica um inquérito contra Fernando Henrique Cardoso, dizendo que a investigação poderia "melindrar" uma figura "importante".

"É normal no Brasil esses contatos [sic] entre juiz, advogado e Ministério Público ou policiais. O que tem que ser avaliado é o conteúdo desses contatos", disse Moro no Senado. O ministro ainda acusou um "grupo criminoso organizado" de hackear celulares de procuradores para prejudicar a Lava Jato e o combate à corrupção.

Leia também: Ex-mulher de Bolsonaro assumirá cargo na Alerj e terá salário de R$ 7,3 mil

Em seu perfil no Twitter, o jornalista Glenn Greenwald, criador do Intercept, alegou que ninguém provou que as mensagens foram adulteradas. "Isso porque todos - especialmente Moro e LJ [Lava Jato] - sabem que são autênticos", declarou.