Tamanho do texto

Governador do Rio de Janeiro defendeu o uso de mísseis para abater os envolvidos com crimes nas favelas e gerou polêmica com direitos humanos

Witzel
Marcos Corrêa/PR
Wilson Witzel faz responder ação no STF por declarações


Partido de oposição ao governo de Wilson Witzel no Rio de Janeiro, o PSOL entrou com uma ação no STF denunciando a conduta ilegal do governador. O motivo, segundo a sigla, foi o estímulo à violência policial por meio de ações e declarações . O resultado foi o aumento do número de mortes em operações policiais. Foram 434 no primeiro trimestre, o maior número em 21 anos.

Leia também: Witzel lamenta morte do pastor Anderson do Carmo e promete rigor na investigação

Na última sexta-feira (14), Wilson Witzel defendeu que traficantes sejam abatidos por míssil, se necessário. A Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental, ADIN, inclui solicitações para que o governador seja proibido de participar de operações policiais, que o Estado se abstenha de adotar a política pública de segurança que estimula o abatimento e/ou neutralização de pessoas. O PSOL pede ainda que sejam declaradas inconstitucionais as declarações do governador por contrariedade a preceitos constitucionais.

"Na vida não tem atalho, é muito estudo e muito trabalho. Agora, o vagabundo, aquele que é bandido, quer o atalho. Nós que somos cidadãos não vamos aceitar isso. A nossa Polícia Militar não quer matar, mas nós não podemos permitir cenas como aquelas que nós vimos lá na Cidade de Deus . E se fosse com a autorização da ONU ou em outros lugares do mundo, nós tínhamos autorização para mandar um míssil naquele local e explodir aquelas pessoas", afirmou Witzel, que foi aplaudido pelos presentes na solenidade.

Leia também: Polícia não mata inocentes, diz Witzel ao comentar ação de criminosos

Deputados do PSOL entendem que, após as declarações, Witzel precisa ressarcir os cidadãos por danos morais.