Tamanho do texto

Trabalhos de apuração estão em andamento em Curitiba, Brasília, Rio e São Paulo; PGR também abriu procedimento para acompanhar trabalho da PF

Deltan Dallagnol
Marcelo Camargo/ABr
Procurador da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol disse que teve celular atacado por hacker

A Polícia Federal abriu pelo menos quatro inquéritos para investigar ataques de hackers contra celulares de mais de dez autoridades vinculadas direta ou indiretamente à Operação Lava Jato.

Leia também: "Lava Jato é uma realidade" e não vai retroceder, diz Fachin

As investigações estão em andamento em Curitiba, Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo, sede das principais frentes da Lava Jato . A Procuradoria-Geral da República (PGR) também abriu um procedimento para acompanhar o trabalho da PF.

A polícia trabalha em silêncio e, por enquanto, a versão oficial é de que todos os casos estão em fase preliminar.

Leia também: "Aqui é o hacker", diz invasor em grupo do conselho do MP no Telegram

A corporação sustenta ainda que dispõe de instrumentos para chegar aos hackers contra celulares de autoridades da Lava Jato , mas não diz quanto tempo precisa para botar o caso em pratos limpos. As investigações estão sob a coordenação da Diretoria de Inteligência.