Tamanho do texto

O ministro da Justiça e da Segurança Pública vai ao Senado nesta quarta prestar esclarecimentos sobre troca de mensagens com procurador

Moro
Marcos Corrêa/PR - 10.5.19
Ministro Sergio Moro vai ao Senado prestar esclarecimentos sobre troca de mensagens com procurador

O ministro da Justiça, Sergio Moro, decidiu comparecer ao Congresso Nacional , nesta quarta-feira (12), para dar explicações sobre supostas irregularidades na condução da Operação Lava-Jato. No entanto, ele está preocupado com a superexposição e os desdobramentos do caso.

Moro  tem receio do que vai encontrar pela frente, porque a base governista está desarticulada e a oposição ganhou fôlego nos últimos dias. Para o ministro e auxiliares diretos, a falta de um apoio consistente dos aliados na Câmara e no Senado deixa o cenário ainda mais obscuro e imprevisível.

Leia também: "A verdade fica doente, mas não morre", diz Lula após vazamentos da Lava Jato

Nos bastidores e ao público, o ministro repete que não cometeu nenhuma ilegalidade. Para ele, as conversas que teve com o procurador Deltan Dallagnol , da força-tarefa de Curitiba, são naturais entre juízes e investigadores. No entanto, ele sabe que o caso será longamente explorado pelos adversários políticos.

"Ele está, sim, muito preocupado. Não tem como não estar preocupado. Não se sabe o que virá pela frente. Não há como prever o que vai acontecer", resumiu um fonte próxima ao ministro. 

Ontem, a líder do governo no Congresso , deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP), disse que o ministro da Justiça iria hoje à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado falar sobre a troca de mensagens com o procurador da República Deltan Dallagnol divulgadas pelo site  The Intercept . Moro também negocia ir à CCJ da Câmara, segundo a deputada. 

Leia também: Após "Vaza Jato", Maia diz que vai blindar Câmara de qualquer crise

"O  Moro  deve vir na CCJ do Senado. Também vamos construir para que ele esteja aqui na CCJ da Câmara, converse com parlamentares, tire qualquer dúvida, fale com as pessoas, abra esse entendimento, esse diálogo", disse a deputada.