Tamanho do texto

Filho do presidente afirmou que é 'esdrúxula' a movimentação da oposição para que se crie uma CPI que investigue o atual ministro e ex-juiz federal

Eduardo Bolsonaro
Alan Santos/PR
Eduardo Bolsonaro disse ser 'esdrúxula' a movimentação a favor da criação de uma CPI que investigue Sergio Moro

Fazendo coro ao irmão Carlos, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) também se posicionou em defesa do ex-juiz e atual ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. O ministro se vê fragilizado politica e juridicamente, desde que teve, no domingo (9), divulgadas conversas comprometedoras com o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força tarefa da Lava Jato. Para Eduardo, o governo Bolsonaro não cogita que Moro deixe o ministério.

Leia também: Eduardo Bolsonaro usa prendedor de gravata em forma de arma durante casamento

"O Moro está seguro no cargo. Ele é vítima. Não se pode acusar a vítima", disse Eduardo Bolsonaro , segundo a revista Veja . A declaração do caçula político de Jair Bolsonaro se deu após ele ser empossado como presidente do PSL paulista, em um hotel em São Paulo.

Ainda no evento, durante uma coletiva de imprensa, Eduardo disse que "[os vazamentos] são fatos anteriores à vinda do Moro ao governo Bolsonaro . "Não me cabe fazer juízo de valor sobre isso. É um assunto sensível, devido à forma criminosa como foram feitos os vazamentos", apontou.

Leia também: Eduardo Bolsonaro sugere "Lula" como dica para "livre" em brincadeira na TV

Além disso, o deputado federal classificou como "esdrúxula" a movimentação da oposição para que se crie e se instaure uma CPI, a fim de apurar eventuais malfeitos de Moro no período em que o agora ministro despachava na 13ª Vara Federal de Curitiba. “As pessoas que mais reclamavam de vazamentos agora estão querendo validar isso. Acho que não vai prosperar”, afirmou Eduardo Bolsonaro .

Leia também: Eduardo Bolsonaro rebate crítica petista sobre seu pai: 'Terraplanista é demais'