Tamanho do texto

Apresentador de TV rebateu críticas do deputado federal Alexandre Frota (PSL-SP): "Será que ele esqueceu que a gente ia junto para boate?"

Edilásio Barra e Alexandre Frota
Reprodução
Quem é Edilásio Barra, o Tutuca, cotado para assumir a Secretaria do Audiovisual e criticado por Alexandre Frota

"Quem é Alexandre Frota para atestar currículo de alguém?", questiona o apresentador e jornalista Edilásio Barra, o Tutuca, cotado para assumir a Secretaria do Audiovisual,
pasta subordinada ao Ministério da Cidadania.

Terra afirmou que vai rever a indicação após críticas de bolsonaristas e do deputado Alexandre Frota, que disse que Edilásio Barra "não tem formação em nada", de acordo com
informações do jornalista Lauro Jardim.

"Tanto estou certo que o ministro Osmar Terra voltou atrás e está repensando a indicação dele", rebate Frota. "Porque realmente ele não tem qualificação nenhuma".

Edilásio Barra é conhecido por comandar o "Programa VIP", na RedeTV e na CNT, em que entrevistava artistas, socialites e empresários. Ele afirma que ficou sabendo que estava
sendo cotado para o cargo pela imprensa e que não foi comunicado por Terra da decisão. O apresentador conta que se reuniu algumas vezes com o ministro e com o secretário
especial da Cultura, Henrique Pires. Num desses encontros, teria ficado acertada sua nomeação para alguma função na Secretaria de Cultura.

“O meu currículo foi aprovado para a Cultura, poderia ser Ancine, poderia ser qualquer lugar”, pondera Edilásio Barra, ressaltando que ainda não havia sido definido qual cargo
assumiria.

Após a divulgação da notícia de que estava sendo cotado para a Secretaria do Audiovisual, Barra fechou sua página no Instagram, que conta com 39 mil seguidores, e apagou pelo
menos 200 postagens, entre elas fake news que tratavam Manuela D'Ávila e Jean Wyllys como principais suspeitos de serem os mandantes da facada contra Jair Bolsonaro na campanha de 2018. Jean Wyllys já afirmou que irá processá-lo .

"Tive que me resguardar porque a invasão da esquerdalha foi muito grande. Quando se assume um cargo público temos que ser mais comedidos. E a imprensa, que é tendenciosa,
interpreta como quer", disse o jornalista.

'Pode um negócio desse?'

Procurado, o Ministério da Cidadania ainda não se manifestou sobre a Edilásio Barra. Segundo o apresentador, há cerca de duas semanas ele teria se reunido também com o atual
secretário do Audiovisual, Pedro Peixoto, que é biógrafo de Alexandre Frota e foi indicado por ele para o cargo, para tratar de um possível trabalho conjunto dentro da
Secretaria.

"O Pedro é gente boa, fino, completamente diferente do Frota. Ele me disse que queria formar uma equipe comigo, e que, se eu fosse indicado (para a Secretaria do Audiovisual),
eu poderia enviá-lo para o CTAv (Centro Técnico Audiovisual, órgão responsável pelo apoio técnico à produção de obras audiovisuais", conta.

Tutuca
Arquivo pessoal
Tutuca nos tempos de 'Amaury Jr Carioca'

Após saber que Barra estava sendo indicado para a Secretaria do Audiovisual, Frota gravou um áudio em que atacava o jornalista. "Tiraram um profissional e colocaram um cara que
era figurante da novela 'Roque Santeiro', não tem formação em nada, não é formado em cinema, nunca fez absolutamente nada, nunca dirigiu absolutamente nada, não sabe o que é
cinema, não sabe o que é televisão e assumiu esse cargo. Pode um negócio desse?”, disse o deputado do PSL.

Frota também afirma na gravação que a indicação de Barra para a secretaria seria um pedido do deputado do PSL Éder Mauro (primo do apresentador) ao ministro da Casa Civil, Onyx
Lorenzoni.

"Dizer que não sou do meio, que sou figurante...", reage Barra. "Se fui figurante, ele também foi. Ele foi 'Luizao' e eu o 'Geraldão'", completa, referindo-se aos personagens
dos dois na novela "Roque Santeiro" (1985). "Será que o Frota se esqueceu que ia na minha casa dia sim, dia não? Que pegava meu carro emprestado? Que a gente ia junto para a
boate ? Que eu fui ao casamento dele com a Cláudia Raia?", questiona.

"Não é sobre isso que a gente está falando, de ir na casa dele ou não ou de emprestar carro ou não", rebate Frota. "A questão é muito mais profunda. É ele assumir um cargo que não está preparado para assumir", acrescenta.

“O figurante não fala. Todos os personagens que eu fiz na televisão tinham fala, tinham romance, tinha início, meio e fim. Acho que nem isso ele conseguiu entender ainda, o que
é figuração e papel”.

Leia também: Entenda quais são as mudanças nas regras de trânsito propostas por Bolsonaro

O apresentador diz que tem mérito para o cargo. "Não caí de paraquedas no PSL. O Frota invetou isso para colocar uns contra os outros, que é o que ele sabe fazer", afirma Barra
que atuou na coordenação da campanha do PSL no Rio Grande do Sul. "Ele ficou com inveja da nomeação".

"Não estou brigando com ele. Ele está levando para o lado pessoal, quando deveria levar para o lado profissional", responde Frota. "E, quando ele pergunta quem é o Alexandre Frota, o Alexandre Frota é o deputado federal. Ele é um cara que está aqui dentro buscando vaga em algum lugar. Infelizmente. Mas eu torço para ele se achar", completa.

Currículo

Barra critica a influência do deputado no governo.

"Se ele quer indicar todo mundo na Secretaria de Cultura ele faz o 'toma lá dá cá'. Ele fala mal de todo mundo, do (Jair) Bolsonaro, do ministro Terra. Só não fala mal dele mesmo porque todo mundo já vê, nem precisa", diz.

Barra, exalta seu próprio currículo e aptidão para o cargo. Nascido em Belém do Pará, ele é formado em Jornalismo na Faculdades Integradas Hélio Alonso (FACHA), onde também deu
aulas entre 2002 e 2017. Barra fez ainda pós-graduação em docência do Ensino Superior na Universidade Candido Mendes (UCAM–RJ).

Tutuca
Arquivo pessoal
Barra nos tempos de apresentador do 'Programa Vip'

Na TV, além da participação em "Roque Santeiro" e do comando de "Programa Vip", Barra atuou como diretor de “Rio de Prêmios”, exibido pela TV Record e do programa de esporte “Copa Super 7” exibido na Rede TV. Trabalhou também na Rede Bandeirantes e na CNT. Barra é pastor, um dos fundadores da Igreja Continental do Amor de Jesus, e foi candidato a vereador pe PSD no Rio de Janeiro em 2012.

Do colunismo social e produção televisiva, Edilásio foi para o olho furacão da política nacional. Desde 2014 milita a favor de Bolsonaro, a quem chama de "amigo", coordenando
passeatas e produzindo conteúdo na internet.

'Bons costumes'

Em fevereiro deste ano, ele criou o canal no YouTube "TV EB", para falar sobre os bastidores de Brasília e defender as ideias de Bolsonaro, "preservando os bons costumes, o respeito à família, honrando pai e mãe" — como diz no vídeo de apresentação.

Leia também: Deputado estadual apoiado por Bolsonaro será investigado por cargo fantasma

"Eu sou um 'bolsonariano' e um homem da cultura há 40 anos. Eu queria ajudar a cultura deste país, mesmo se eu não for nomeado. A esquerda acha que manda na cultura deste país, mas ela é do povo brasileiro. Gostaria de emprestar minha inteligência e minha expertise, mas se acharem que não serve, não importa. Não preciso de cargo público como cabide de emprego", finaliza Edilásio Barra .