Tamanho do texto

Durante a cerimônia, no Palácio do Planalto, o presidente recebeu os documentos e conversou rapidamente com cada um dos diplomatas

Jair Bolsonaro
Flickr/Planalto
Presidente estava ao lado do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo

O presidente Jair Bolsonaro recebeu, nesta terça-feira (4), as credenciais de oito novos embaixadores no Brasil, entre elas a da venezuelana María Teresa Belandria Expósito, que não representa o governo do presidente eleito, Nicolás Maduro, e sim do autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó.

Guaidó, que também é presidente da Assembleia Nacional, é reconhecido pelo governo Bolsonaro como presidente legítimo do país vizinho.

Leia também: Em carta aberta, ex-ministros dizem que Bolsonaro vê Educação como 'ameaça'

Durante a cerimônia, no Palácio do Planalto , Bolsonaro recebeu os documentos e conversou rapidamente com cada um dos diplomatas, ao lado do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo .

A partir de agora, estão habilitados a despachar no Brasil , além de María Teresa, os embaixadores do México, Ignácio Piña Rojas; da Colômbia, Dario Alonso Montoya Mejía; do Paraguai, Bernardino Hugo Saguier Caballero; da Arábia Saudita, Ali Abdullah Bahitham; do Peru, Javier Raúl Martin Yépez Verdeguer; da Guiné, Kabinet Konde; e da Indonésia, Edi Yusup.

Tradicionalmente, um embaixador assume o posto depois de entregar documentos enviados pelos presidentes de seus países ao governo do país onde atuará. A apresentação das cartas credenciais ao presidente da República é uma formalidade que aumenta as prerrogativas de atuação do diplomata no Brasil. Caso a credencial não seja recebida pelo presidente, o embaixador não pode representar o seu país em audiências ou solenidades oficiais no Brasil.

Leia também: Defesa de Lula pede para que Gebran Neto seja impedido de julgar caso do sítio