Tamanho do texto

Presidente foi entrevista para o jornal argentino La Nación e falou sobre atentado durante campanha, a esposa e escolha de ministros

presidente jair bolsonaro
Divulgação
Bolsonaro concedeu entrevista a jornal argentino La Nación e falou sobre os primeiros cinco meses de governo

Ao ser perguntado sobre a sua missão na Presidência - em entrevista ao jornal argentino  La Nación  publicada neste sábado (01), o presidente Jair Bolsonaro disse que tem uma missão de Deus e que é um milagre estar vivo após o ataque que sofreu durante a campanha e ter ganho a eleição.

“Eu tenho uma missão de Deus, vejo dessa maneira. Foi um milagre estar vivo e outro milagre ter ganho as eleições. Deus também tem me ajudado muito na escolha dos meus ministros”, disse Bolsonaro na primeira entrevista a um veículo de comunicação argentino.

Leia também: Quem é Léo Índio, sobrinho de Bolsonaro que atua pelo governo sem ter cargo?

O jornal argentino informa que, após a violenta campanha eleitoral do ano passado, causou "certo alívio" o discurso de posse de Bolsonaro que apontava para uma pacificação do país. "No entanto, aquela ilusão de superação do racha ideológico desapareceram rapidamente".

Desde então, diz o jornal, o presidente não deixou de trabalhar no "modo campanha", com investidas cotidianas contra os rivais do Partido dos Trabalhadores (PT), ofensa a à velha política, críticas à imprensa e polêmicas sobre cortes nas políticas sociais "para implementar uma agenda de valores conservadores que começaram a afastar empresários e os eleitores mais moderados, que produziram divisões no governo".

Na entrevista , porém, após repetir críticas à imprensa, Bolsonaro afirmou que está fazendo esforços para pacificar o país. “Sim, estou fazendo esforços. Não estou atacando e buscando a divisão. Mas há gente que não gosta de mim mesmo sem me conhecer”.

E contou que quando começou a sair com a mulher dele, Michelle Bolsonaro, perguntavam a ela o que estava fazendo com "esse monstro": “E ela ainda está apaixonada por mim até hoje”.

Questionado sobre quais foram seus erros e o que aprendeu nos primeiros meses de governo , Bolsonaro ressaltou que em seus 28 anos como deputado não foi preso e que a maioria dos parlamentares apoia a mudança da maneira que o Executivo, segundo ele,  passou a se relacionar com o Legislativo.

“Fui 28 anos deputado e nunca pedi cargos em troca de nada. Eu acompanhei tudo o que se passou, sem me envolver. Mudamos a maneira que o Executivo se relacionava com o Legislativo e a maioria dos parlamentares apoia isso”.

Leia também: Bolsonaro diz que não disputará reeleição se houver uma "boa reforma política"

América do Sul

jair bolsonaro durante discurso
Isac Nóbrega/PR
Jair Bolsonaro

Bolsonaro também falou sobre a eleição presidencial da Argentina, que acontecem em outubro deste ano: “Espero que os argentinos vejam que futuro realmente querem. (...) Nós esperamos que o povo argentino eleja um candidato de centro-direita, como no Brasil e também no Paraguai, Chile, Peru e Colômbia, declarou o presidente, que apoia a reeleição de Macri.

Leia também: Bolsonaro busca apoio e faz pacto com líderes dos três poderes

Ele também fala sobre a Venezuela e que os países do Mercosul não podem se despreocupar com o tema. “Apesar de não querer ter nenhuma ingerência nas questões internas da Argentina, estamos preocupados com a verdadeira defesa da democracia, a liberdade e a luta contra a corrupção”, declarou Bolsonaro .