Tamanho do texto

O deputado estadual Vandro Lopes Gonçalves, o Vandro Família (SD) que também é sargento da PM, é investigado pela morte de um opositor, Paulo Henrique Dourado Teixeira, o Paulinho P9, em março do ano passado

 Vandro Família
Divulgação
O deputado estadual Vandro Lopes Gonçalves, o Vandro Família (SD) é suspeito da morte de um opositor

A Polícia Civil faz, nesta terça-feira, uma operação contra um grupo de extermínio que atua em Magé, na Baixada Fluminense. Um dos alvos é o deputado estadual Vandro Lopes Gonçalves, o Vandro Família (SD), de 41 anos. Ele também é sargento da PM, foi vereador (de 2013 a 2017) e vice-prefeito de Magé (2017-2018) e é dos aliados do governador Wilson Witzel (PSC) na Assembleia Legislativa (Alerj).

Leia também: Witzel diz que morte de professor de jiu-jitsu será esclarecida

No início do mês, quando o governador do estado aumentou o valor do Regime Adicional de Serviço (RAS) pago aos policiais militares e civis, Vandro Família apareceu em um vídeo ao lado de Witzel, que o agradeceu pelo seu apoio na Alerj

O grupo do qual Vandro Família faria parte é investigado pela morte de Paulo Henrique Dourado Teixeira (PTB), o Paulinho P9, 33, em março do ano passado. Paulinho P9 era adversário político do deputado no município da Baixada, chegando, inclusive, a denunciar um esquema de licitações fraudulentas na Prefeitura de Magé, envolvendo Vandro e o empresário Fabiano Florim. O nome da ação de hoje, Operação P9 , é um alusão a ele.

Na operação, os policiais pretendem cumprir 20 mandados de busca e apreensão em endereços da quadrilha, inclusive na residência do deputado, seus seguranças, bem como na casa de empresários ligados ao esquema denunciado por P9.

Os agentes estão na capital, em Magé, Guapimirim, Piabetá, São Pedro D'Aldeia e Petrópolis. Eles pretendem encontrar armas, celulares, computadores e outros documentos que comprovem a atuação da quadrilha.

Leia também: Consultor de Witzel é preso em operação contra policiais suspeitos de extorsão

De acordo com a Polícia Civil, as investigações revelaram a existência de uma organização criminosa que tentava manter em sigilo diversos procedimentos administrativos dos envolvidos com a Prefeitura de Magé. A partir do momento em que P9 formalizou denúncias, virou alvo da quadrilha.

Em 2012, Vandro Família foi preso em uma operação da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e Inquéritos Especiais (Draco/IE) contra a milícia da localidade de Fragoso, em Magé. Vandro é considerado o chefe da milícia pelos investigadores.