Tamanho do texto

Policial Flávio Pacca auxiliou o governador Wilson Witzel na campanha é um dos agentes detidos em ação do Ministério Público e da Polícia Civil

Policial Flávio Pacca, que foi consultor da campanha de Wilson Witzel, foi preso no Rio de Janeiro
Divulgação
Policial Flávio Pacca, que foi consultor da campanha de Wilson Witzel, foi preso no Rio de Janeiro

A Corregedoria da Polícia Civil e o Ministério Público do Rio de Janeiro cumprem nesta quinta-feira (28) mandados de prisão preventiva contra quatro policiais civis acusados de extorsão. Entre os alvos está Flavio Pacca Castello Branco, que foi consultor de segurança pública durante a campanha eleitoral do governador fluminense, Wilson Witzel. As prisões fazem parte da Operação Quarto Elemento.

Leia também: Ministro do Meio Ambiente diz ter sido atacado por manifestantes do MST na Bahia

Além do conselheiro de Witzel , que já foi detido, outros três policiais foram denunciados por extorsão: Ricardo Canavarro, que já estava preso, Helio Ferreira Machado e Tiago Pereira, que não foram localizados e já são considerados foragidos pelas autoridades.

De acordo com o Ministério Público, em 5 de julho de 2017, os quatro teriam ameaçado dois presos e exigido deles o pagamento de R$ 10 mil, dentro da Delegacia de Nova Iguaçu (52ª DP). As vítimas da extorsão policial haviam sido presas em flagrante por receptação e furto de energia.

Mas, em vez de autuá-las oficialmente, os agentes policiais praticaram a extorsão. As vítimas concordaram com o pagamento em duas parcelas, mas só pagaram a primeira.

Essa é a terceira fase da Operação Quarto Elemento , que já denunciou 48 pessoas, entre delegados de Polícia Civil, policiais civis, policiais militares, bombeiros militares, agente penitenciário e informantes, por práticas de crimes como organização criminosa, corrupção, usurpação de função pública, concussão e peculato, além de extorsão.

Flávio Pacca é mais policial envolvido em atividades ilicitas que já recebeu homenagens pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Em 2005, o agente recebeu um tributo assinado pelo então deputado Flávio Bolsonaro e o deputado coronel Rodrigues . "A operação foi lograda de êxito, sem baixas de policiais e culminando com a morte de um dos traficantes mais procurados do Estado, conhecido por 'Bem-Te-Vi'. Assim sendo, este policial foi um dos responsáveis por 'recuperar' esse marginal, visto que a sociedade tem a certeza de que ele nunca mais estará apto a viciar o filho de ninguém, nem a levar o terror aos cidadãos fluminenses, prestando um relevante serviço social à população", diz a moção.

Leia também: Após violência, Brasil e Venezuela negociam reabertura da fronteira

Pacca foi candidato a deputado federal pelo PSC do Rio de Janeiro nas últimas eleições, mas não conseguiu se eleger. Ele teve apenas 4.118 votos.

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel , se pronunciou através de nota oficial e se disse intolerante contra qualquer tipo de crime. "A prisão foi resultado de uma parceria da Corregedoria da Polícia Civil com o Ministério Público e mostra que o meu governo não tolera nenhum ato ilícito, seja de quem for. Que ele tenha seus direitos garantidos, como qualquer cidadão. Mas seja quem for que tenha cometido ou cometa algum ato ilícito ou de corrupção, esta pessoa será punida de acordo com a lei", diz a nota.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas