Vice-presidente visita Academia Chinesa de Tecnologia Espacial (CAST)
Adnilton Farias/VPR
Vice-presidente visita Academia Chinesa de Tecnologia Espacial (CAST)

O vice-presidenteHamilton Mourão visitou nesta terça-feira (21) a Academia Chinesa de Tecnologia Espacial (Cast, na sigla em inglês), em meio à celebração dos 30 anos da parceria entreBrasil e China na área espacial, que já resultou na fabricação e no lançamento de cinco satélites. O evento ocorreu dois meses após a assinatura do acordo que prevê o uso pelos Estados Unidos do Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão.

Leia também: Com Amazon e Tesla, 'nova corrida espacial' é privada e persegue outras metas

China e EUA, que atualmente travam uma guerra comercial, também são rivais na área espacial, mas Mourão disse que o Brasil não terá problemas em conciliar as parcerias que mantém com os dois países.

"Tranquilamente. Essa cooperação (com Pequim ) já vem de há muito tempo. A China tem o seu próprio sítio de lançamento, são coisas distintas, e nós podemos continuar muito essa cooperação", disse Mourão ao Globo, ao lado do presidente da agência espacial chinesa, Wu Yanhua.

A possibilidade de a base de Alcântara vir a ser utilizada para o lançamento de satélites chineses foi um dos temas levantados na segunda-feira, em conversa com o presidente da Agência Espacial Brasileira, em Pequim.

Segundo Yu Qi, vice-diretora da agência espacial chinesa, embora a base brasileira tenha uma localização privilegiada para o lançamento de satélites, por estar perto da linha do Equador e permitir a economia de combustível, a distância torna seu custo excessivo para a China. Além disso, os EUA não permitiriam que satélites chineses fossem lançados de foguetes americanos, disse Yu. 

Você viu?

"De nossa parte, não há problema, mas depende da política americana. Mesmo que o lançamento seja feito no Brasil, se o foguete for americano, os EUA proíbem lançar satélites chineses. Entretanto, a política espacial chinesa está sempre aberta à cooperação com o mundo, incluindo os EUA", afirmou.

Ela confirmou que o sexto satélite produzido a partir da cooperação entre Brasil e China tem lançamento previsto para dezembro deste ano em Taiuyan, no norte do país. Desenvolvido em conjunto pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e pela Cast, o satélite Cbers-4A fornecerá imagens para o monitoramento do meio ambiente, com fotos de desmatamento e desastres naturais, entre outros fins.

Após visitar a academia espacial chinesa, Mourão afirmou que o Brasil tem interesse em aprofundar a parceria, mas a intenção esbarra na falta de recursos.

"Nós temos que aumentar nossa cooperação e estamos conversando, mas com a crise fiscal que estamos vivendo nos faltam recursos para investimento", explicou o vice-presidente .

Leia também: Nave espacial da Nasa colidirá com "pequena lua" em 2022

Mourão chefia a comitiva que retomará as atividades da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação (Cosban), principal mecanismo permanente de diálogo entre os dois países, cuja reunião ocorrerá na quinta-feira, em Pequim. Na sexta, ele se encontra com o presidente chinês, Xi Jinping , e horas depois embarca de volta para o Brasil, com uma parada prevista na Itália.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários