Tamanho do texto

Presidente busca base para aprovar Medida Provisória que organizou o governo e colocou o Coaf nas mãos de Sergio Moro, ministro da Justiça

Bolsonaro
Reprodução/Flickr
Major Vitor Hugo tentou marcar uma reunião de Bolsonaro com líderes do DEM e do PP

O líder do governo na Câmara dos Deputados, Major Vitor Hugo (PSL-GO), tentou marcar uma reunião do presidente Jair Bolsonaro com Elmar Nascimento (BA) e Arthur Lira (AL), líderes do DEM e do PP, para apaziguar os ânimos no Congresso.

Após a recusa de ambos, porém, foram convidados os líderes de um grupo menor que vem se mobilizando para manter, na votação da Medida Provisória (MP) que organizou o governo Bolsonaro , o Coaf nas mãos de Sergio Moro , ministro da Justiça.

O grupo convocado às pressas por Vitor Hugo na manhã desta terça-feira inclui PPS, PSC, Podemos, Patriota, Novo e PV. Juntas, essas legendas possuem 43 deputados. Após a MP passar por uma comissão na última quinta-feira, esses partidos se uniram para tentar impedir a votação no plenário da Câmara, apesar de o próprio ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, já ter feito um acordo com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para encaminhar a MP.

Após a atuação desse grupo, a votação foi adiada, o que põe em risco a estrutura administrativa do governo Bolsonaro. Se a medida não for aprovada pela Câmara e pelo Senado até 3 de junho, ela perde a validade. Ou seja, passaria a valer a estrutura ministerial do governo Temer. Esses líderes partidários se reuniram de manhã com Vitor Hugo e, logo depois, foram convidados para o encontro com Bolsonaro.

Líderes do centrão estão irritados com declarações recentes de Vitor Hugo, que indicou ter apoio de "vários líderes" para votar a MP ainda esta semana e colocou em suspeição parlamentares que queriam votar "tão apressadamente" a proposta na última quinta-feira.

Na semana passada, após a comissão ter aprovado com alterações o texto, incluindo a criação de dois novos ministérios, deputados do PSL resistiram ao acordo feito com Onyx. Maia, então, colocou cinco Medidas Provisórias diferentes para tramitar com prioridade.

Leia também: Bolsonaro lamenta decisão do Congresso e diz que espera manter Coaf com Moro

"Vamos ao presidente da República declarar que nós, líderes partidários, somos a favor de manter o Coaf no Ministério da Justiça e da não criação de dois ministérios", disse Marcel Van Hattem (RS), líder do NOVO na Câmara.

Enquanto a líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-GO), tentava costurar acordo com líderes do centrão, Vitor Hugo resolveu unir os esforços de outros partidos.  Antes da reunião de líderes da tarde desta terça-feira, que definirá a pauta da semana, Joice afirmou a aliados que sentará longe do colega de partido. Ele prevê um "massacre" contra o deputado.

Segundo líderes do centrão ouvidos pelo GLOBO , não há clima político para votar nenhuma Medida Provisória nesta semana. Mesmo assim, Vitor Hugo insiste em dizer publicamente, nas redes sociais, que irá aprovar três MPs, inclusive a da reforma administrativa.