Tamanho do texto

Presidente nacional do PT afirmou que ministro teria aceitado vantagem indevida; ex-juiz disse que não estabeleceu condição para assumir a pasta

Gleisi Hoffmann
Paulo Pinto/AGPT - 21.10.17
Gleisi Hoffmann acusou o ministro de receber vantagem indevida

A deputada federal e presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, acusou o ministro da Justiça, Sérgio Moro, de corrupção passiva. Em sua conta do Twitter nesta segunda-feira (13), a parlamentar afirmou que  o ex-juiz teria recebido vantagem indevida.

Leia também: Com Frota e Gleisi, comissão especial da Previdência tem lista definida

"Artigo 317 do CP, corrupção passiva: “Solicitar ou receber, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida, ou aceitar promessa de tal vantagem”. É no que incorreu Moro ao barganhar vaga no STF", escreveu Gleisi


A crítica da deputada ocorreu por conta de uma declaração de Bolsonaro neste domingo, em que afirmou que vai indicar Moro para uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF). "Tenho um compromisso com ele. A primeira vaga que vier é dele. Vou honrar o compromisso com ele, caso ele queira", declarou o presidente.

O ministro, por sua vez, afirmou, em entrevista à Jovem Pan , que vai avaliar se aceitará o cargo. “Fico honrado com o que presidente falou, mas não tem a vaga no momento. Quando surgir, ele vai avaliar se vai manter convite, eu vou avaliar se vou aceitar, se for feito efetivamente o convite", justificou. 

No entanto, na manhã de hoje, Moro mudou a declaração e negou que tenha negociado uma vaga no STF com o presidente em troca de assumir o Ministério. "Não estabeleci nenhuma condição aceitar o convite", disse.