Tamanho do texto

Luiz Lima diz que bloco prometeu apoiar a reforma da Previdência se Coaf fosse retirado do Ministério da Justiça e Segurança Pública; entenda o caso

Luiz Lima
Divulgação
O deputado do Luiz Lima, do PSL, acusou colegas do centrão de "chantagem"

O deputado federalLuiz Lima (PSL-RJ) afirmou na manhã desta sexta-feira que se sentiu chantageado por deputados do chamado centrão durante a discussão sobre o destino do Conselho de Controle de Atividades Financeira ( Coaf ). Segundo ele, esses parlamentares tem dito ao governo que apoiarão a reforma da Previdência se o órgão de controle sair da alçada do Ministério da Justiça, comandado por Sergio Moro.

Leia também: Sérgio Cabral: carta aberta ao presidente Jair Bolsonaro

"A gente não tem opção, quer os dois. A gente não quer mais ministérios. Fomos chantageados: ou vocês querem a Coaf com Moro ou a Reforma da Previdência", disse, sem citar quais deputados do centrão estariam envolvidos nessa chantagem.

A ida do Coaf para o Ministério da Economia vinha sendo defendida por partidos do centrão, em especial PP e PR, que impuseram uma derrota ao governo ao conseguir aprovar a mudança na MP da reforma administração na comissão especial da Câmara, nesta quinta-feira.

A medida, agora, deverá ser analisada pelo plenário de Câmara e Senado. Segundo ele, em reunião realizada na noite desta quinta-feira, o líder do governo, Major Vitor Hugo, e o líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir, decidiram que o partido iria votar para manter o Coaf sob comando de Moro.

Lima também elogiou a postura de partidos como o Cidadania, o Podemos e o Novo que defenderam, na comissão e no Plenário, a manutenção do órgão na Justiça.

Leia também: Vereador, Carlos Bolsonaro ataca vereadores que reclamam do governo federal

Lima e outros deputados participaram de um evento de prestação de contas do RenovaBR, movimento de renovação política que elegeu 10 congressistas, em São Paulo, na manhã desta sexta-feira.

Além de falar em chantagem, Lima provocou deputados do centrão ao dizer que eles seriam leões no Congresso mas "gatinhos" na rua. "Nós decidimos abraçar o que a opinião pública e nossos eleitores querem que a gente faça. A gente não pode de forma alguma permitir que o Coaf saia do ministério da Justiça", disse.