Tamanho do texto

Presidente foi condenado quando ainda era deputado federal por declarações em entrevista ao programa "CQC", da Bandeirantes

Bolsonaro canta hino nacional
Marcos Corrêa / PR
Bolsonaro vai pagar R$ 150 mil por declaração homofóbica e racista


A maioria dos desembargadores da Sexta Câmara Cívil do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro decidiu manter nesta quinta-feira (9) a condenação do presidente Jair Bolsonaro a pagar R$ 150 mil, por danos morais, ao Fundo de Defesa dos Direitos Difusos (FDDD), do Ministério da Justiça. A ação contra o então deputado foi motivada por declarações homofóbicas e racistas feitas por ele no programa “CQC” , da TV Bandeirantes, em março de 2011. 

Leia também: Sérgio Cabral: carta aberta ao presidente Jair Bolsonaro

Na ocasião, questionado sobre o que faria se tivesse um filho gay , Bolsonaro afirmou que isso não aconteceria com ele porque seus filhos “tiveram boa educação”. Em outro momento, perguntado pela cantora Preta Gil sobre como reagiria se um de seus filhos se apaixonasse por uma mulher negra.

“Eu não vou discutir promiscuidade com quem quer que seja. Eu não corro esse risco. Meus filhos foram muito bem educados e não viveram em um ambiente como, lamentavelmente, é o seu”.

Leia também: Bolsonaro chama prefeito de Nova York de "radical" e fala sobre ida ao Texas

O então deputado ainda chegou a dizer que não viajaria em um avião pilotado por um cotista.

"Todos nós somos iguais perante a lei. Eu não entraria em um avião pilotado por um cotista, nem aceitaria ser operado por um médico cotista", afirmou.

Após a decisão da Justiça do Rio, Bolsonaro havia entrado com embargos no tribunal. Por três votos a dois, os desembargadores decidiram manter a condenação e a pena aplicada. O presidente ainda pode recorrer da decisão.

Leia também: STF deve dar a Bolsonaro o direito de não conceder indulto a presos; entenda

A ação contra Bolsonaro foi movida pelo Grupo Diversidade Niterói, Grupo Cabo Free de Conscientização Homossexual e Combate à Homofobia e Grupo Arco-íris de Conscientização. Na sentença, a juíza responsável pelo caso, Luciana Santos Teixeira, destacou que “não se pode deliberadamente agredir e humilhar, ignorando-se os princípios da igualdade e isonomia, com base na invocação à liberdade de expressão”.