Tamanho do texto

Em discurso com a presença do presidente Jair Bolsonaro , chanceler brasileiro chora e rebate críticas à política externa do atual governo

Ernesto Araújo e Jair Bolsonaro
Divulgação
Ernesto Araújo discursou em evento que teve a presença do presidente Jair Bolsonaro

Em um discurso emocionado durante cerimônia de formatura de novos diplomatas, o ministro das Relações Exteriores,Ernesto Araújo , afirmou que a diplomacia brasileira não pode mais ficar "em cima do muro" e precisa ter "sangue nas veias". Ele se queixou das críticas que vem recebendo de inúmeros setores da sociedade e citou a Venezuela como prioridade na defesa pela democracia da região. 

Leia também: Eleito com discurso liberal, Bolsonaro revela face intervencionista

"Diplomacia não significa ficar em cima do muro. Não é ver os grandes embates e aderir ao vencedor. Diplomacia precisa ter sangue nas veias", afirmou Ernesto Araújo, ao lado do presidente Jair Bolsonaro e do vice-presidente Hamilton Mourão. 

O chanceler chorou, ao falar sobre a família. Agradeceu o apoio da mulher Maria Eduarda e disse aos formandos que o apoio dos familiares será fundamental na carreira que escolheram. "Nem tudo serão rosas para vocês. Vocês vão sofrer junto com eles", diss

O ministro afirmou que "o mundo todo tem olhos voltados para a Venezuela, porque ali se dá um combate entre a democracia e a repressão". E enfatizou que o governo se identificou com essa causa.  

Leia também: Bolsonaro mostra cicatriz da facada pela primeira vez em rede nacional; confira

"Não há de ser nada. É muito triste ver gente no Brasil torcendo pela tirania apenas para ver este governo se dar mal. ossa política externa não recua diante do primeiro obstáculo, nem da primeira crítica", finalizou Ernesto .