Ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio é alvo de investigações por participação em esquema de laranjas
Valter Campanato/Agência Brasil - 21.11.18
Ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio é alvo de investigações por participação em esquema de laranjas

A Polícia Federal (PF) deflagrou, nesta segunda-feira (29),  a Operação "Sufrágio Ostentação" para investigar a suspeita de que o PSL tenha cometido irregularidades na aplicação de recursos direcionados a campanhas eleitorais de candidatas femininas.

Leia também: 'Laranja' do PSL diz à PF que ministro pediu desvio de verba nas eleições

Sete mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Minas Gerais , um deles na sede do partido do PSL em Belo Horizonte. A pedido da 26ª Zona Eleitoral de BH, a ação encampou ainda endereços localizados nos municípios de Contagem, Coronel Fabriciano, Ipatinga e Lagoa Santa. Também foram apreendidos documentos relativos à produção de material gráfico de campanhas eleitorais.

Você viu?

A operação tem o objetivo de investigar candidaturas laranjas, ou seja, mulheres que receberam uma grande quantidade de verbas e tiveram números insignificantes de votos. Entre elas, está Zuleide Oliveira, que acusa o ministro do Turismo , Marcelo Álvaro Antônio, de ser o responsável pelo esquema em Minas Gerais.

Na época, ele era presidente do partido no estado e teria direcionado dinheiro público de fundo eleitoral e partidário para empresas ligadas ao seu gabinete. As suspeitas iniciais apuradas pelos investigadores é do crime de falsidade ideológica, mas não está descartado que o crime de lavagem de dinheiro também tenha sido cometido. 

Recentemente, a  deputada federal Alê Silva também acusou o ministro de participação no esquema e de ameaçá-la de morte em duas ocasiões. Álvaro Antônio nega e afirma que a deputada move uma “campanha difamatória” contra ele, em razão da disputa pelo controle de diretórios municipais em suas bases eleitorais em MG. 

Os repasses também teriam sido autorizados pelo ex-presidente do PSL Gustavo Bebianno , que acabou sendo exonerado do cargo de secretário-geral da Presidência por Jair Bolsonaro. O presidente declarou que vai  esperar a conclusão da apuração da PF para decidir o futuro de Álvaro Antônio, que nega qualquer participação e diz que seguiu a lei nas eleições. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários