Tamanho do texto

"Democracia vive da pluralidade, dos embates", afirmou o presidente da Corte; ministro é o personagem principal da reportagem que foi censurada

Dias Toffoli
G.Dettmar/CNJ - 18.9.18
Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, defendeu que nem todo embate é uma crise

Para o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) , ministro Dias Toffoli, o inquérito aberto por ele para investigar ofensas à Corte não teria instaurado qualquer tipo de crise entre os onze ministros ou ainda entre eles e as outras esferas de poder. Para o magistrado, personagem principal de uma reportagem censurada no âmbito desse inquérito pelo ministro Alexandre Moraes, as controvérsias em torno da atuação do mais alta instância do poder Judiciário são casualidades comuns à democracia.

Leia também: Moraes manda bloquear redes sociais dos investigados por fake news contra o STF

"Essa coisa de existe crise, existe crise, existe crise... Isso é incorreto porque o que faz a democracia viver é a pluralidade, são os embates", disse Toffoli em entrevista ao jornal Valor Econômico ; ele destacou à publicação que, em sua opinião, a sociedade confunde os embates típicos da democracia com crises reais.

A resposta foi dada pelo ministro após ele ter convidado o entrevistador a mudar de assunto quando questionado sobre a existência de uma crise no Supremo . Em um primeiro momento, Toffoli comentou o tema abertamente, justificando a censura à reportagem da revista Crusoé em que um documento sobre ele era mencionado.

Leia também: AGU é contra suspensão de inquérito aberto para investigar ofensas ao STF

A publicação tratava de uma colaboração do empreiteiro Marcelo Odebrecht com a Operação Lava-Jato, em que ele teria identificado Toffoli como um dos interlocutores da empreteira. Ele teria ganhado menção em e-mails trocados por executivos como se fosse " amigo do amigo do pai " de Marcelo, ou seja, um amigo do ex-presidente Lula, que tinha amizade com Emílio Odebrecht.

"Se você publica uma matéria chamando alguém de criminoso, acusando alguém de ter participado de um esquema, e isso é uma inverdade, tem que ser tirado do ar. Ponto. Simples assim", defendeu Toffoli .

Leia também: STF usa lei da ditadura para enquadrar investigados sobre ofensas contra a Corte