Tamanho do texto

Ex-gerente de empreiteira disse à Justiça que dinheiro foi entregue em caixas; pagamento foi feito durante as obras na marginal Tietê, em 2009

Serra
Pedro França/Agência Senado - 12.7.17
Assessoria do ex-governador Serra não respondeu aos questionamentos sobre o pagamento de propina a Paulo Preto


O engenheiro Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, e apontado como operador de esquemas envolvendo o PSDB, recebeu cerca de R$ 24 milhões em propina em caixas enviadas por um ex-gerente da empreiteira Delta. Isso é o que diz o próprio delator, Helvétio Rocha. 

Leia também: Paulo Preto confessa ser dono de contas na Suíça com R$ 137 milhões

Segundo o ex-gerente, os repasses a Paulo Preto ocorreram em razão das obras de ampliação da marginal Tietê em 2009, durante a gestão do ex-governador José Serra, em São Paulo. O pagamento foi feito tanto antes da licitação como durante a execução da obra. 

Ainda de acordo com Rocha, as caixas foram levadas pessoalmente por ele à sede da Dersa, estatal paulista que foi uma das responsáveis pelas obras.

Na época, a construção, que resultou na criação de uma nova pista na marginal, custou R$ 1,75 bilhão aos cofres públicos de São Paulo. Porém, a decisão de fazê-la foi controversa: especialistas questionavam a necessidade de uma intervenção desse porte voltada principalmente a usuários de automóvel.

Leia também: Após caso Paulo Preto, Lava Jato em SP mira obras do Metrô e parentes de Lula

As informações são do jornal Folha de S.Paulo. Segundo a reportagem, Rocha – que firmou acordo de delação premiada junto com outros executivos da empreiteira, na parte da Lava Jato que tramita na Justiça Federal do Rio de Janeiro – disse que, antes da licitação, entregou até sete caixas ao ex-diretor da Dersa

De acordo com o ex-gerente, ele sabia que havia dinheiros nas caixas (que eram equivalentes a três caixas de sapato). No entanto, Rocha não soube precisar a quantia com exatidão. Ele estimou em cerca de R$ 1 milhão cada volume.

Leia também: Paulo Preto recorre a Gilmar Mendes contra condenação de 145 anos na Lava Jato

Hoje, Paulo Preto está preso, em Curitiba. Ele está detido desde fevereiro por causa de uma ação da Lava Jato do Paraná, que investiga o PSDB. A assessoria do ex-governador e atual senador José Serra não respondeu aos questionamentos sobre o pagamento de propina.