Tamanho do texto

Procurador da força-tarefa em Curitiba, Deltan Dallagnol se pronunciou nas redes sociais; Gilmar Mendes havia dito que operação virou 'partido político'

Deltan Dallagnol
Marcelo Camargo/ABr
Deltan Dallagnol defendeu Lava Jato após críticas de Gilmar Mendes: "Imparcial e apartidária"

Um dia depois do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, dizer que a Operação Lava Jato virou um partido político , o procurador da força-tarefa da operação em Curitiba, Deltan Dallagnol, se pronunciou e defendeu que o trabalho é apartidário.

"O trabalho do MPF na Lava Jato, de novo, é técnico, imparcial e apartidário, buscando a responsabilização quem quer que tenha praticado crimes no contexto do megaesquema de corrupção na Petrobras", escreveu Dallagnol no Twitter, nesta quinta-feira (25).

Nesta quarta-feira (24), Gilmar Mendes afirmou que é necessário finalizar o que ele define como uma fase em que abusos de poder foram feitos no intuito de combater a corrupção no país.

"Me parece que tem que se encerrar essa fase. A Lava Jato nada mais é do que um grupo de trabalho. Mas por um vício, esses vícios comuns a nós, virou uma instituição, um partido político", opinou o magistrado.

Na mesma entrevista, Gilmar Mendes também falou sobre o  processo disciplinar que Deltan Dallagnol por supostamente ter ofendido a ele e aos ministros Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli.

"O que ele (Dallagnol) disse é que a turma passava uma mensagem favorável de leniência quanto à corrupção e só depois disso que formava uma panelinha. Foi por isso que houve a representação e ele foi absolvido no conselho do Ministério Público e agora foi instaurado o inquérito", salientou.

Ao final da investigação citada por Gilmar e aberta pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP),  Dallagnol poderá ser inocentado, sofrer advertência, censura ou até suspensão.