Tamanho do texto

Presidente assegurou que "está tudo bem" em sua relação com o vice e tentou colocar panos quentes nas trocas de farpas entre Mourão e Carlos

General Hamilton Mourão%2C Jair Bolsonaro e Onyx Lorenzoni em cerimônia no Planalto
Marcos Corrêa/PR - 25.4.19
General Hamilton Mourão, Jair Bolsonaro e Onyx Lorenzoni em cerimônia no Planalto

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) voltou nesta quinta-feira (25) a minimizar a crise com seu vice, o general Hamilton Mourão (PRTB) e a tentar pôr panos quentes nas recorrentes trocas de farpas envolvendo seu filho Carlos Bolsonaro .

Durante café da manhã com jornalistas oferecido no Palácio do Planalto, Bolsonaro comparou sua relação com Mourão a um casamento. "Não tem atrito. Estamos dormindo todo dia juntos, dando beijinho a noite toda. Briga aqui é só para ver quem vai lavar a louça", disse o presidente.

O próprio Mourão, que também estava presente ao encontro, completou: "Ou para ver quem vai cortar a grama".

Leia também: Mourão tem "interesse crocodilal" em situações desnecessárias, ataca Carlos

Durante uma hora, Bolsonaro foi perguntado sete vezes sobre o assunto. Em todas, negou a existência de desavenças, embora tenha reconhecido que seu filho Carlos faz algumas críticas “certas” e outras “erradas” sobre Mourão .

O presidente analisou ainda que a figura do vice-presidente é como "uma sombra que, às vezes, não se guia de acordo com o sol". "Mas por enquanto está tudo bem", assegurou.

Bolsonaro também garantiu que Carlos continuará "colaborando" com suas redes sociais. "Porque não foram vocês que me colocaram aqui, foi ele", justificou o presidente, referindo-se ao fato de o filho ter cuidado da estratégia digital de sua campanha à Presidência.

O respaldo do pai a Carlos Bolsonaro se dá um dia após um colunista da revista Época publicar a notícia de que o vereador do Rio de Janeiro teria vetado ao presidente acesso à senha de suas próprias redes sociais. Carlos, ainda na noite dessa quarta-feira (24), negou a informação.

Leia também: Doria diz que embate entre Carlos Bolsonaro e Mourão não ajuda o governo