Tamanho do texto

Ministro acatou recomendação da PGR, segundo a qual versão sobre distribuição de US$ 300 mil em propina a emedebistas não se confirmou

Senador Renan Calheiros
Jonas Pereira/Agência Senado - 2.2.19
Senador Renan Calheiros (MDB-AL) ainda é alvo de mais 13 inquéritos no Supremo

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) se livrou de mais uma investigação no Supremo Tribunal Federal (STF). Por decisão do ministro Edson Fachin, foi arquivado mais um inquérito contra o emedebista, que ainda é alvo de outras 13 investigações no Supremo. Este já é o quinto processo contra Renan que acaba engavetado .

O inquérito arquivado por Fachin tem relação com investigações da Operação Lava Jato e tratava de suposta distribuição de US$ 300 mil em propina agentes do MDB a partir de contrato da Petrobras na Argentina. Além de ter Renan Calheiros como alvo, o inquérito mirava também suspeitas contra o senador Jader Barbalho (MDB-PA) e o ex-deputado Aníbal Gomes (MDB-CE).

A decisão de Edson Fachin segue recomendação da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, segundo a qual as acusações feitas pelo lobista Fernando Baiano não puderam ser confirmadas por outros delatores.

Leia também: Renan Calheiros discutiu com JBS nomeação em ministério quando presidia Senado

A chefe do Ministério Público Federal (MPF) alegou que "esgotou a linha investigativa então existente, sem perspectiva concreta de novas diligências". Diante das alegações, Fachin confirmou o arquivamento do processo, mas pontuou que o inquérito poderá vir a ser reaberto caso surjam novos elementos contra Renan Calheiros , Barbalho ou Aníbal.