Tamanho do texto

Procuradores e subprocuradores divulgaram nota critica à investigação e as recentes decisões do ministro Alexandre de Moraes, relator do inquérito

Dodge e Toffoli
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
Candidatos argumentam que a decisão da atual PGR, Raquel Dodge, de pedir o arquivamento do caso esvaziou o inquérito

Cinco candidatos ao cargo de procurador-geral da República pediram nesta quarta-feira o trancamento do inquérito aberto para apurar supostas ameaças e difusão de fake news contra ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). O inquérito foi aberto por determinação do presidente do STF , Dias Toffoli, e tem como relator o ministro Alexandre de Moraes.

"Desde o seu nascedouro, o inquérito 4781 desafiava princípios do Estado Democrático de Direito, não se coadunando com o princípio acusatório, a imparcialidade judicial e o devido processo legal, na medida em que se destinou a investigar fatos indeterminados e sem a participação do Ministério Público perante o STF – a Procuradora-Geral da República – titular da persecução penal na Corte Suprema", diz nota divulgada pelos candidatos.

O documento foi assinado pelos subprocuradores Nicolao Dino, Mário Bonsaglia e pelos procuradores regionais Vladimir Aras, Lauro Cardoso e Blal Dalloul. Os cinco já anunciaram intenção de concorrer à lista tríplice, base usada pelos últimos governos para escolher o procurador-geral da República. Para os procuradores e subprocuradores, as investigações devem ser feitas pelo Ministério Público e pela Polícia Federal, não pelo STF.

Os procuradores também criticam duramente decisões do ministro Alexandre Moraes . Nos últimos dias, o ministro determinou a exclusão de uma reportagem sobre Dias Toffoli da revista eletrônica "Crusoé" e do site "Antagonista". O ministro também mandou a polícia fazer busca e apreensão em endereços de sete pessoas suspeitas de fazer ameaças e espalhar notícias falsas contra ministros do STF, entre elas o general da reserva Paulo Chagas.

"Mais preocupante se torna a situação, ante as recentes medidas determinadas no bojo do mencionado Inquérito, consubstanciando graves restrições à liberdade de imprensa, à inviolabilidade domiciliar e à livre manifestação do pensamento, que – desnecessário lembrar – constituem expressões legítimas do regime democrático", afirmam os procuradores.

Eles argumentam ainda que a decisão da atual procuradora-geral da República , Raquel Dodge , de pedir o arquivamento do caso esvaziou o inquérito. Moraes rejeitou o pedido da procuradora-geral e manteve o inquérito aberto. Mas, sem o aval do Ministério Público, o relatório final da investigação não pode ser convertido em denúncia.

"A decisão de indeferimento da promoção de arquivamento formulada, na última terça-feira (16.4.2019), pela procuradora-geral da República , estabelece, agora, uma situação inusitada, em que subsiste uma investigação sem que a titular da persecução penal com ela concorde, transformando, em síntese, o procedimento investigatório num fim em si mesmo", afirmam os procuradores.