Tamanho do texto

Ideólogo chegou a sugerir que Bolsonaro dê um ministério para cada um de seus filhos, mas que eles abram mão do salário para não serem 'nepotistas'

ideólogo Olavo de Carvalho
Reprodução/TV Globo
Olavo de Carvalho comentou a escolha do novo ministro da Educação

Em mais uma troca de farpas com o vice-presidente Hamilton Mourão, o ideólogo Olavo de Carvalho afirmou – em entrevista ao Programa do Bial , que foi ao ar na noite dessa quarta-feira (10), na TV Globo –  que o general mudou o discurso e "parou com besteiras" mas que, por fora, continua "bancando o gostosão". 

Leia também: "Sem Olavo, estaríamos melhor", diz Frota sobre primeiros 100 dias de Bolsonaro

“Ele parou com aquelas besteiras. Aprendeu comigo. Ele leu as coisas e, por dentro, ele disse: ‘Esse cara tem razão, vou mudar o discurso’. Agora, por fora, continua bancando o gostosão”, opinou Olavo de Carvalho .

Considerado o "guru intelectual de Bolsonaro", Olavo já criticou o vice-presidente outras vezes. Em março, o ideólogo afirmou que Mourão é "um idiota" e que o "despreza". Na entrevista de ontem, ele ainda chegou a sugerir que Bolsonaro dê um ministério para cada um de seus filhos. 

“Se eu fosse o Bolsonaro eu diria o seguinte: olha meu filho, quero que você assuma o ministério ‘tal’, mas você vai renunciar ao salário de ministro, porque eu não sou nepotista. Eu faria isso, se fosse ele, é uma ideia, né?”, defendeu. O escritor ainda afirmou que Eduardo, Carlos e Flávio são pessoas "muito sinceras, muito honestas". 

O ideólogo também elogiou a nomeação de Abraham Weintraub para o Ministério da Educação e reiterou que ele, ao contrário de Vélez, demitido nessa segunda-feira , estudou suas obras. “O que eles conseguiram foi trocar um pseudo olavete por um verdadeiro olavete", apontou. 

Olavo contou que chegou a ser convidado por Bolsonaro para ser ministro da Cultura ou da Educação, mas recusou os convites e indicou Vélez Rodríguez e o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, a quem fez elogios. 

Para o ideólogo, a vitória de Bolsonaro nas eleições se deu porque ele tem um programa de governo alinhado com a opinião da população brasileira, que é conservadora. Olavo afirmou ainda que gosta do presidente por ele ser uma pessoa "sincera e simples" e admitiu que nem ele, nem ninguém sabe ao certo quais são as opiniões de Bolsonaro. 

“O Bolsonaro é uma pessoa sincera, uma pessoa simples. Eu gosto dele precisamente por isso. Não pelas ideias políticas dele que eu nem sei direito quais são, ninguém sabe”, ressaltou. O 'guru' do bolsonarismo disse ainda que já aconselhou diversas vezes para que o presidente fale em rede nacional de televisão para atingir o "povão" que votou nele. De acordo com o escritor, as transmissões ao vivo feitas às quintas-feiras nas redes sociais atingem no máximo 100 mil pessoas.

Leia também: Olavo de Carvalho ataca ministro Santos Cruz: "Simplesmente não presta"

Questionado sobre o programa Escola Sem Partido, o escritor disse acreditar que a discussão tem sido "equivocada". Olavo de Carvalho chamou aqueles que querem acabar com a "doutrinação comunista" nas escolas de loucos e afirmou que não é esse o verdadeiro problema. "O problema é que eles não deixam o outro lado falar. Precisa de escola com todas as ideologias, isso que é o certo”, concluiu.