Tamanho do texto

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, disse que aproximação de Bolsonaro da articulação da reforma da Previdência "era fundamental"

Presidente do Senado, Davi Alcolumbre
José Cruz/Agência Brasil
Davi Alcolumbre acredita que desencontros dos últimos meses se deram por falta de diálogo

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, disse hoje (5) que aprovou e ficou satisfeito com as reuniões iniciadas ontem (4) entre o presidente Jair Bolsonaro e lideranças partidárias, visando articular a aprovação da reforma da Previdência no Congresso Nacional.

Leia também: MDB acena apoio à reforma da Previdência, mas quer mudanças no texto

“Era fundamental. O presidente da República precisava liderar esse diálogo, esse processo. Sempre defendi a aproximação do presidente nesse entendimento com o Congresso”, afirmou Davi Alcolumbre .

Ele discursou durante o 18º Fórum Empresarial do Grupo de Líderes Empresariais (Lide), realizado em Campos do Jordão (SP). Alcolumbre disse que Bolsonaro se reuniu ontem com seis representantes de partidos e, hoje, deve receber mais seis líderes.

O presidente do Senado acredita que muitos dos “desencontros” políticos que ocorreram nos últimos meses foram em razão da falta de diálogo. “Ele precisa ouvir as lideranças políticas, os presidentes de partido. Não se trata de ouvir a velha ou nova política, mas ouvir a política. A política é o que vai decidir na Câmara dos Deputados e no Senado o futuro de 210 milhões de brasileiros. O presidente da República tem que liderar esse debate”, disse.

Leia também: Alckmin garante que PSDB não pleiteia cargos em troca de votos pela reforma

Para o parlamentar, o governo precisa construir uma base sólida, não apenas para aprovar a reforma da Previdência , mas outras matérias.

Alcolumbre acrescentou que apoia as teses do ministro da Economia, Paulo Guedes. “Ele [Guedes] tem sido a ponta de lança de uma bandeira que deixou de ser de um partido de esquerda ou direita, da velha ou nova política”, disse. “O setor privado precisa dessa tranquilidade”, disse.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia , disse - no mesmo evento - que a reforma da Previdência é a prioridade da Casa, mas que não há prazo ou estimativas. Se a tramitação atrasar alguns meses, isso “não vai fazer diferença”, segundo ele. Para Maia, o impacto da reforma na economia brasileira seria efetivo apenas no próximo ano.

O presidente da Câmara defendeu a conscientização da sociedade sobre o tema. “A população tem que entender que os itens da reforma precisam ser aprovados. Ser a favor da reforma, e não ser da idade mínima, é ser contra [a reforma da Previdência]”, declarou.

Leia também: Bolsonaro nega que haja disputa entre ‘olavetes e militares’ no Planalto

Diferente de Davi Alcolumbre , que passou uma mensagem mais otimista, Maia elencou os temas polêmicos da reforma. Uma delas é que não haverá período de transição para os servidores públicos contratados antes de 2003. “São 250 mil servidores que não terão transição para garantia de integralidade e paridade a que eles têm direito. Esse é um debate onde as corporações vão trabalhar juntas”, afirmou.