Tamanho do texto

Chanceler esteve junto com o presidente em Israel e não descartou uma visita para nações árabes: “Nos próximos dias vamos definir um programa"

Ernesto Araújo, ministro das Relações exteriores
Alan Santos/Presidência da República
Ernesto Araújo disse que Bolsonaro pode visitar países árabes ainda em 2019

Um dia depois de regressar da visita presidencial a Israel, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, disse, nesta quinta-feira (4), que o presidente Jair Bolsonaro poderá visitar países árabes ainda no primeiro semestre de 2019.

“Nos próximos dias vamos definir um programa de visitas do presidente a países árabes. Em países que sejam nossos principais parceiros para começar, depois iremos a outros”, disse Ernesto Araújo após participar de audiência na Comissão de Relações Exteriores do Senado. “Temos avanços grandes com Arábia Saudita e Emirados Árabes”.

Leia também: Por que a visita de Bolsonaro a Israel interessa ao agronegócio

Segundo o ministro, o governo pretende buscar “parcerias profícuas” nos relacionamentos bilaterais. “Pretendemos estruturar nossa relação com qualquer país em benefício da nossa independência, autonomia, do nosso desenvolvimento, seja com China, Estados Unidos, Israel, países árabes”

Durante a audiência, Araújo foi perguntado se a diplomacia atual não atrapalha o agronegócio brasileiro. “Essa ideia de que nossa política externa causa prejuízo ao agronegócio tem sido propalada e até agora não se materializou de forma nenhuma. Tenho certeza de que não se materializará”.

Na terça-feira (2), a ministra da Agricultura , Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, disse que o Brasil é amigo dos países árabes e muçulmanos. Segundo ela, há um esforço para manter este bom relacionamento com aumento da cooperação comercial. Na próxima semana, ela se reúne com 51 embaixadores de países árabes na tentativa de desfazer o mal-estar em torno da instalação do escritório de negócios do Brasil em Jerusalém, conforme anunciado no último dia 31 pelo presidente Jair Bolsonaro .

Leia também: Bolsonaro fala em executivo e legislativo juntos após reunião com partidos

Para a ministra, a instalação de um escritório de negócios em Jerusalém é um meio-termo, em vez de uma embaixada. Segundo ela, há um descontentamento dos países árabes em relação a este assunto, mas disse que o Ministério da Agricultura tem de continuar trabalhando para manter o diálogo.