Tamanho do texto

Presidente afirmou que houve confusão sobre seu pedido e que, na verdade, queria que o evento de 31 de março fosse rememorado pelos militares

undefined
Marcos Corrêa/PR
Jair Bolsonaro disse que pediu para rememorar e não comemorar o golpe militar de 1964


Jair Bolsonaro tentou diminuir a polêmica em relação à afirmação do porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros que disse que o presidente pediu para que fossem feitas as “comemorações devidas” aos 55 anos do golpe militar. Em evento de comemoração dos 211 anos da Justiça Militar, Bolsonaro negou que tenha feito o pedido.

Leia também: Ministério Público recomenda que militares não comemorem o golpe de 1964

"Não foi comemorar, foi rememorar, rever o que está errado, o que está certo e usar isso para o bem do Brasil no futuro", afirmou Bolsonaro, sem fazer juízo do porta-voz e sem citar o termo “ golpe militar ”.

Um dia antes, em entrevista à TV Bandeirantes , Jair Bolsonaro negou que o Brasil tenha vivido um período de ditadura entre os períodos de 1964 e 1985 e que o que chamou de “revolução” livrou o País de uma grande ameaça do regime comunista.

Leia também: Ernesto Araújo diz que não houve golpe em 1964 e que "movimento foi necessário"

Na última quarta-feira (27), o Ministério Público Federal enviou um documento para comandos militares de 18 estados recomendando a não comemoração sobre o golpe de 31 de março.

“Brigadas, grupamentos, comandos especiais, academias militares das forças armadas e outras unidades que integram Comandos Militares em todo o país devem se abster de promover ou tomar parte de qualquer manifestação pública, em ambiente militar ou fardado, em comemoração ou homenagem ao período de exceção instalado a partir do golpe de 31 de março de 1964”, dizia o comunicado.

Capitão do Exército reformado, Jair Bolsonaro construiu sua carreira política de deputado como grande defensor do golpe de 1964 . Em discursos no Plenário da Câmara, o então parlamentar chegou a pedir a volta da intervenção militar como solução aos problemas do Brasil.

Leia também: Jair Bolsonaro determina que golpe de 64 tenha "comemorações devidas"

Considerado golpe militar pelos historiadores do Brasil e do mundo, a tomada de poder em 31 de março de 1964 destituiu o então presidente João Goulart, dando início a um período de 21 anos em que o Brasil foi governado por generais do Exército.