Tamanho do texto

Bolsonaro deve anunciar a liberação da entrada de americanos, japoneses, australianos e canadenses no Brasil em sua viagem a Washington no domingo

Ernesto Araújo falou sobre relação entre Brasil e Estados Unidos
Marcelo Camargo/ABr
Ernesto Araújo falou sobre relação entre Brasil e Estados Unidos

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, informou nesta sexta-feira (15), em entrevista à Rádio Gaúcha , que o governo brasileiro vai negociar com o governo americano o fim da exigência de vistos para brasileiros que visitam os Estados Unidos. 

O anúncio de Ernesto Araújo ocorre logo após a decisão de liberar a entrada de americanos, canadenses, australianos e japoneses no Brasil, que deverá ser anunciada por Bolsonaro em sua viagem a Washington , que acontece neste domingo (17). 

"No momento, queremos fazer esse caminho de lá para cá, em benefício de nosso mercado de turismo. A isenção de visto para esses quatro países pode gerar uma receita adicional de vários bilhões de reais", afirmou o ministro. 

O chanceler disse que também vai conversar com as autoridades norte-americanas sobre o tratamento dado a brasileiros que chegam ao país, pois, de acordo com ele, há casos em que os cidadãos brasileiros são mandados de volta mesmo com documentação regular. 

Leia também: EUA, Japão, China... Bolsonaro terá intensa agenda de viagens a partir de março

"Vamos manter um diálogo consular, para que não haja discriminação e desrespeito. Os turistas brasileiros estão entre os que mais gastam nos EUA. Tenho certeza que o atual clima político vai facilitar esse tipo de ação", defendeu. 

Além dos EUA , o Brasil também pretende estreitar relações com Israel, segundo o ministro. Araújo disse, no entanto, que ainda não há decisão sobre a transferência da embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém e que haverá cuidado para que a aproximação não prejudique relações do Brasil com árabes e muçulmanos. 

Questionado sobre a situação da Venezuela, o chanceler reafirmou que o Brasil não apoia uma intervenção militar e disse que a saída de Nicolás Maduro é questão de tempo. "Nossa intervenção é simplesmente diplomática e política. Intervenção militar não está no nosso plano. Está quase começando uma transição democrática na Venezuela, mas ela é mais lenta do que gostaríamos. Porém, o processo é irreversível." 

Leia também: “Esperança de uma nova Venezuela não existiria sem o novo Brasil”, diz chanceler

No próximo domingo, Bolsonaro vai a Washington e tem um encontro com o presidente Donald Trump marcado para terça-feira (19). O presidente viajará acompanhado de Ernesto Araújo e de mais cinco ministros, entre eles Paulo Guedes e Sérgio Moro, e deve retornar ao Brasil no dia 20.