Tamanho do texto

Adriana Moreira Borges é a terceira a afirma que Marcelo Álvaro Antônio comandou esquema com candidaturas fraudulentas para cumprir a cota feminina; ministro teria pedido 90% do repasse do partido de volta

Marcelo Álvaro Antônio foi acusado pela terceira vez de comandar esquema de candidaturas laranjas
Marcos Corrêa/PR
Marcelo Álvaro Antônio foi acusado pela terceira vez de comandar esquema de candidaturas laranjas

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, foi denunciado pela terceira vez por uma suposta candidata laranja do PSL em Minas Gerais. A denunciante da vez é Adriana Moreira Borges, que concorreu ao cargo de deputada federal pelo partido nas eleições de 2018. As informações são do Jornal O Globo , que entrevistou a candidata.

Leia também: Candidata acusa ministro do Turismo de comandar esquema de laranjas em Minas

Adriana, que teve 11.830 e não foi eleita, acusa o ministro do Turismo de condicionar o repasse da verba parlamentar de campanha, que era de R$ 100 mil, à devolução de R$ 90 mil para o partido em nove cheques em branco assinados. Ela afirma ter sido instruída por Roberto Silva Soares, ex-assessor do gabinete de Álvaro Antônio na Câmara dos Deputados e atual primeiro-secretário do diretório do PSL em Minas.

"Perguntei [a Roberto Soares] do fundo partidário. Foi quando ele me fez uma proposta para que eu recebesse R$ 100 mil. Ficaria com 10% para minha campanha e assinaria cheques em branco para que ele pudesse, com os R$ 90 mil restantes, pagar a campanha de outros candidatos.", explicou.

Relembre as outras acusações contra o ministro do Turismo 

Zuleide Oliveira acusou o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, de comandar esquema de candidaturas laranjas e MG
Reprodução
Zuleide Oliveira acusou o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, de comandar esquema de candidaturas laranjas e MG

Em fevereiro a professora aposentada Cleuzenir Barbosa disse ao jornal Folha de São Paulo que o hoje ministro sabia do esquema de candidaturas laranjas do PSL em Minas Gerais. Ela foi uma das candidatas da sigla no estado.

Leia também: Ministro do Turismo pede para que investigação sobre "laranjas" suba para o STF 

“Era o seguinte: nós mulheres iríamos lavar o dinheiro para eles. Esse era o esquema. O dinheiro viria para mim e retornaria para eles”, disse. Ela ainda acusou assessores do ministro de ameaça. 

"Me mudei [para o exterior] exclusivamente por causa dessa situação. Peço para as mulheres que denunciem. Não fiquem caladas, se exponham, sim. Eu vou entrar com pedido de proteção à vítima. Esse povo é perigoso. Hoje eu sei, eles são uma quadrilha de bandidos."

Uma outra reportagem da Folha de São Paulo revelou que o ministro  teria repassado verbas de campanha a quatro possíveis candidatas laranjas de Minas Gerais. Os repasses também teriam sido autorizados pelo ex-presidente do PSL Gustavo Bebianno , que acabou sendo exonerado do cargo de secretário-geral da Presidência por Jair Bolsonaro. 

Marcelo Álvaro Antônio negou as acusações. “A denunciante foi chamada a prestar esclarecimentos em diversas ocasiões e nunca apresentou provas ou indícios que atestassem a veracidade das acusações”, disse o ministro. Ainda de acordo com o político, Cleuzenir foi "aposentada por sentença judicial que reconheceu distúrbios psiquiátricos incapacitantes total e permanentes."

Apesar do escândalo, Marcelo Álvaro Antônio parece estar seguro no cargo. O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse, em entrevista à Radio Gaúcha, que o governo não pensa em exonerar o ministro do Turismo . “A questão de Minas Gerais está sendo apurada. O governo observa. É preciso dar tempo que esclarecimentos apareçam e se tiver alguma coisa o presidente vai tomar uma decisão”, disse Onyx. 

Já nesta quinta-feira (7), também em entrevista para a Folha de São Paulo , foi a vez de Zuleide Oliveira, de 49 anos e moradora da cidade de Santa Rita de Caldas denunciar o ministro. Ela foi inscrita para disputar uma vaga como deputada estadual, mas teve a candidatura impugnada por ser ficha suja. 

Leia também: Onyx Lorenzoni descarta demissão do ministro do Turismo, mas diz que o governo "observa" 

De acordo com Zuleide, ela chegou a se reunir com o agora ministro, seus assessores e outros membros do PSL, que prometeram que cuidariam das contas da campanha com o dinheiro do fundo partidário. A mulher afirma que não sabe quanto dinheiro foi depositado para sua candidatura, pois o controle da conta bancária ficou com dirigentes do partido.

"Eu não entendia de nada, eles que fizeram tudo [para registrar a candidatura], eu não tirei uma certidão minha, eles tiraram por lá, eu só enviei meu documento e eles fizeram tudo. Acredito, sim, que fui mais uma candidata laranja, porque assinei toda a documentação que era necessária e não tive conhecimento de nada que eu estava fazendo", disse Zuleide, que ainda afirmou que o PSL a "usou para fazer lavagem de dinheiro".

Ela é a primeira suposta candidata laranja a acusar o ministro de pessoalmente negociar o esquema. "Ele [Marcelo Álvaro Antônio] disse pra mim assim: 'Então a gente vai fazer o seguinte: você assina a documentação, que essa documentação é pra vir o fundo partidário pra você. Eu repasso a você R$ 60 mil, e você tem que repassar pra gente R$ 45 mil. Você vai ficar com R$ 15 mil para sua campanha. E o material é tudo por nossa conta, é R$ 80 mil em materiais'", explicou.

Leia também: Agora é oficial! Exoneração de Gustavo Bebianno é publicada no Diário Oficial da União 

Ela diz que recebeu cerca de 25 mil santinhos para a campanha, todos com Marcelo Álvaro Antônio, que acabou sendo o candidato a deputado federal mais votado de Minas Gerais, dividindo o espaço. Nem PSL de Minas Gerais nem o PSL nacional registraram gastos com a campanh de Zuleide Oliveira. 

A candidata ainda diz que o partido sabia que ela seria impugnada, mas insistiu na candidatura para cumprir a cota para mulheres. Zuleide perdeu os direitos políticos após uma condenação  de 2016, quando teve uma briga com outra mulher. "Hoje eu sei que eles sabiam que não iam aparecer meus votos, que eu não ia conseguir concorrer às eleições porque eu estava com os direitos políticos suspensos. Eles sabiam de tudo isso."

Zuleide Oliveira fez uma denúncia por e-mail ao Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais ainda em setembro de 2018, mas a única resposta que obteve foi que o documento teria sido recebido. 

Também à Folha de São Paulo , o ministro se defendeu das acusações por meio de nota oficial. "Em setembro, Marcelo Álvaro Antônio recebeu diversos pré-candidatos e eleitores na sede do PSL. Ele não se lembra ter se reunido especificamente com a sra, Zuleide. O ministro jamais ofereceu ou pediu a devolução de qualquer valor, seja do fundo eleitoral ou de qualquer outra fonte, à sra. Zuleide", escreveu.

Ele ainda afirmou que "as despesas do partido foram devidamente declaradas à Justiça Eleitoral na prestação de contas" e que "o partido respeitou a impugnação declarada pela Justiça Eleitoral da candidatura da sra. Zuleide."

O ministro do Turismo ainda acusa o jornal de fazer uma campanha difamatória. "A campanha político-partidária da Folha de S.Paulo contra o ministro Marcelo Álvaro Antônio, citado em mais de 100 matérias desde 04 de fevereiro, ultrapassou todos os limites do razoável. Ao julgar, condenar e atacar a honra do ministro, o jornal e os jornalistas agiram de forma leviana e, por isso, estão sendo processados", disse.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas