Tamanho do texto

O deputado federal ainda defendeu que a prisão do ex-presidente é injusta; pelo Twitter, outros políticos também prestaram solidariedade ao petista

Ricardo Stuckert
"É mais um drama para um preso político, preso sem culpa", disse o deputado Rui Falcão sobre a morte do neto de Lula

O deputado federal Rui Falcão (PT), ex-presidente nacional do PT, disse a jornalistas que "pegaria muito mal" se a Justiça proibisse o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso em Curitiba (PR) desde abril do ano passado, de comparecer ao velório do neto, Arthur Araújo Lula da Silva. O menino de sete anos morreu nesta sexta-feira (1º), vítima de uma meningite meningocócica.

Leia também: Sob gritos de "Lula livre", petista chega ao velório do neto em São Bernardo

O parlamentar chegou ao cemitério Jardim da Colina, em São Bernardo do Campo (SP), pouco antes das 10h. À imprensa, Falcão defendeu que a prisão de Lula é injusta e lembrou de outros parentes que o ex-presidente perdeu recentemente. "É mais um drama para um preso político, preso sem culpa. Já perdeu sua esposa, perdeu o irmão, do qual não pode participar do velório. Agora acho que pegaria muito mal proibi-lo", declarou.

Os petistas Eduardo Suplicy e Rui Costa, governador da Bahia, também participaram do velório de Arthur. O ex-senador por São Paulo disse a jornalistas que escreveu ao presidente Jair Bolsonaro (PSL) para defender a presença de Lula na cerimônia, considerada "fundamental, sagrada, constitucional e legal" por Suplicy. Costa se recusou a falar com a imprensa.

Solidariedade a Lula

Políticos e pessoas públicas têm usado o Twitter para prestar condolências a Lula pela perda do neto Arthur, de 7 anos
Reprodução
Políticos e pessoas públicas têm usado o Twitter para prestar condolências a Lula pela perda do neto Arthur, de 7 anos

Desde ontem, políticos, ministros e pessoas públicas têm manifestado seus sentimentos a Lula nas redes sociais e defendido o direito do petista de velar o neto. Pelo Twitter, a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) foi uma das primeiras a prestar condolências, se referindo a Arthur como uma "criança maravilhosa".





Ex-candidata à Presidência e ministra do Meio Ambiente por boa parte do governo Lula, Marina Silva (REDE) também manifestou solidariedade ao ex-presidente. Ainda pelo Twitter, Marina escreveu que, como futura avó, não consegue imaginar "tamanha tristeza e dor" e desejou que "Deus conforte familiares e amigos".





O ministro Gilmar Mendes , do STF (Supremo Tribunal Federal), também usou a rede social para prestar condolências a Lula. O magistrado afirmou que "o luto é momento de solidariedade e união" e que não conhece política ou ideologia. "Perder uma criança é uma das experiências mais devastadoras que se pode ter", completou o ministro.





O senador por São Paulo, José Serra (PSDB), usou a plataforma para expressar sua "mais sinceridade ao ex-presidente Lula e sua família neste momento de imensa dor". O tucano foi um dos poucos políticos de partidos de oposição ao PT que se manifestaram na internet.

Leia também: Saiba o que é a meningite meningocócica, doença que matou neto de Lula

A morte de Arthur também teve repercussão internacional. No Twitter, o presidente da Bolívia, Evo Morales, se disse muito triste pela notícia sobre o neto de  Lula , chamado de "irmão" por Morales. "Em nome do povo boliviano, prestamos nossas mais profundas condolências", completou o presidente.


    Leia tudo sobre: Lula
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.