Tamanho do texto

Em uma gravação, o dono da Colossu's Empreendimentos afirma que emitiu nota no valor de R$ 38 mil para serviço de R$ 8 mil para campanha de Bivar

Luciano Bivar e o ex-vereador Ernandes Bob, contratante dos serviços da Colossu´s Empreendimentos
Reprodução/redes sociais
Luciano Bivar e o ex-vereador Ernandes Bob, contratante dos serviços da Colossu´s Empreendimentos

O dono de uma empresa na cidade de Abreu e Lima, região metropolitana de Recife (PE), prestou serviços para o deputado federal Luciano Bivar (PSL), atual presidente do PSL, durante as eleições de 2018. O empresário afirma ter participado de um esquema que desviou verba pública para o então candidato. As informações são do jornal Folha de S.Paulo .

Leia também: Supostas candidaturas laranjas no PSL estão sendo apuradas, afirma Moro

Luiz Claudio Cordeiro Palhares é dono da Colossu's Empreendimentos e contou a um político do estado, sem saber que estava sendo gravado, que devolveu ao menos R$ 30 mil à campanha de Luciano Bivar , valor que havia sido declarado como gasto de campanha. 

Na gravação, Palhares explica que rodou R$ 8.000 em materiais gráficos a pedido de um ex-vereador aliado de Bivar, Ernandes Bob, conhecido como Bob Esponja. No entanto, ele emitiu nota no valor de R$ 38 mil, "para ele pegar os R$ 30 mil". 

O autor da gravação pergunta o que a empresa seria capaz de rodar e, após dez segundos de silêncio, o dono responde. "Tu pode fazer o seguinte, como eu fiz lá com o cara: ele rodou cerca de R$ 8.000 em material e tirou R$ 38 [mil] de nota, entendeste?". 

O serviço prestado pela Colossu's está na prestação de contas de Bivar no TSE no valor de R$ 41.602,68. De acordo com a nota fiscal da empresa, foram produzidos 200 perfurados, 1.200 adesivos, 100 mil santinhos, 60 mil praguinhas, 700 bandeiras e 300 camisas para a "campanha do candidato a deputado federal Luciano Bivar nas eleições 2018".

Leia também: PF abre investigação e intima suposta candidata laranja do PSL a depor

Procurado pela Folha , o presidente do PSL disse que todas as contas da campanha foram aprovadas pela Justiça Eleitoral e que não conhecia a situação descrita. Já Palhares informou que conversou sobre o assunto, mas que não admitiu irregularidades. 

"Se eu falei algo do assunto é porque pode ser que eu tenha dito que já tinha rodado os R$ 8.000 e faltava rodar o resto. Até porque a nota do material que eu tirei foi de R$ 42 mil", disse o empresário. 

De acordo com a reportagem, a Colossu's mudou de endereço no último dia 22 e agora o escritório de Palhares funciona em Olinda. Ele alega que o endereço que consta na nota fiscal, em Abreu e Lima, é o endereço da casa dele, usado "apenas para receber correspondência".

O dono da empresa ainda afirma que o serviço contratado por Ernandes Bob para Bivar foi terceirizado e rodado na Graff Center, uma gráfica localizada no centro da cidade. "Eu terceirizo e faço as coisas mais baratas para ganhar o serviço. Ele já faz para mim sem emitir nota fiscal. Eu não pedi a nota porque ele estava executando um serviço para mim", defendeu.

Leia também: "Política não é muito da mulher, falta vocação", diz presidente nacional do PSL

Além da campanha de Luciano Bivar , a Colossu's só prestou mais um serviço durante as eleições, quando o PSL contratou a empresa para organizar uma estrutura de recepção a Jair Bolsonaro durante a campanha presidencial. O custo declarado no TSE é de R$ 45,8 mil.