Tamanho do texto

Acusado de receber R$ 1,5 milhão em propina no comando da Casa Civil, entre 2007 e 2014, Fichtner já havia sido preso em 2017, mas foi solto

O ex-secretário da Casa Civil do governo Sérgio Cabral, Régis Fichtner, já havia sido preso em 2017, mas conseguiu ser solto
Tânia Rêgo/ABr
O ex-secretário da Casa Civil do governo Sérgio Cabral, Régis Fichtner, já havia sido preso em 2017, mas conseguiu ser solto

Agentes da Polícia Federal prenderam, na manhã desta sexta-feira (15), o ex-secretário estadual da Casa Civil Régis Fichtner, que foi o responsável pela pasta durante a gestão de Sérgio Cabral no governo do Rio de Janeiro. Dessa vez, o ex-braço direito de Cabral é acusado de receber propinas no valor de R$ 1,5 milhão enquanto estava no comando da pasta, de 2007 a 2014.

Leia também: Tribunal manda soltar ex-secretário de Sérgio Cabral, preso em operação da PF

Régis Fichtner já havia sido preso pela Polícia Federal em novembro de 2017, durante a Operação C’Est Fini, mas acabou sendo solto. Sua prisão faz parte dos desdobramentos da Operação Lava Jato no Rio de Janeiro. Também foi preso hoje o coronel da Polícia Militar Fernando França Martins – acusado de fazer operações financeiras para o ex-secretário. 

De acordo com o Ministério Público Federal do Rio (MPF-RJ), a nova prisão preventiva foi motivada pelo fato de que, segundo os procuradores da República que integram a força-tarefa da Lava Jato no Rio, Fichtner ainda tem patrimônio ocultado e há indícios de sua atuação para destruir provas, prejudicando as investigações.

Leia também: Ex-chefe da Casa Civil de Sérgio Cabral é preso em nova operação da PF no Rio

Ainda de acordo com o MPF, Fichtner era figura central na área administrativa da organização criminosa, supostamente chefiada por Cabral . Os procuradores afirmam que, como chefe da Casa Civil, ele era o responsável por articular os atos de governo mais importantes, “usando de sua habilidade jurídica para buscar saídas minimamente defensáveis”.

Com essa posição, o ex- secretário de Cabral pode ter feito diversas manobras em favor dos demais membros da organização criminosos, afirma o MPF.

Leia também: Sérgio Cabral negocia acordo de delação premiada com a Lava Jato, diz jornal

As investigações apontaram ainda que o coronel Fernando França Martins é o responsável por recolher parte da propina recebida por Régis Fichtner . Em informações bancárias, entre 2014 e 2016, houve transferência na ordem de R$ 725 mil do ex-secretário ao coronel.

* Com informações da Agência Brasil.